OGIVA NUCLEAR

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

SE RECORDAR É VIVER...., ENTÃO VAMOS RECORDAR DE QUE OS CANCROS DA NOSSA SOCIEDADE TEEM QUE SER EXTERMINADOS E ATIRADOS PARA FORA DA NOSSA ÓRBITA

PUBLICAÇÃO DO DOKA INTERNACIONAL DA
1ª PARTE (RELATÓRIO DO ASSASSINATO DO PRESIDENTE NINO VIEIRA)
“ ..... Inquirição de Quintino Na M’Bundé
A folha.115, disse que pertence a unidade militar da Marinha de Guerra Nacional, contudo, na altura da sua audição era Comandante de Batalhão da Guarda Presidencial.
Esclarece que saiu do Quartel da Marinha para a sua casa e nas imediações do Tribunal Militar ouviu a explosão no Estado Maior, pelo que resolveu voltar a sua unidade militar.

Dali recebeu um telefonema do então Capitão de Mar e Guerra, JOSÉ ZAMORA INDUTA, a perguntá-lo se tinha conhecimento do ocorrido no Estado Maior e este lhe ordenou para voltar a Marinha.
Quando o Zamora Induta chegou à Marinha pediu-lhe para voltarem ao Estado Maior e foi o que fizeram numa viatura dupla-cabine de marca Toyota de cor azul, pertença do Estado Maior da Marinha.

Disse que quando chegaram à estação de combustível LENOX A. LOPES, ao lado da televisão Nacional, como o Zamora estava a paisana foram barrados a passagem pela circunstância, do corpo do falecido Tagme Nawaie estar a ser transportado para a Base Aéria e que entretanto seguiram com a coluna funebre até a Base, onde souberam da morte do General Tagme.

Após a consternação do ocorrido, todos voltaram para o Estado Maior e dali é que recebeu ordens de Zamora, para voltar á Marinha de Guerra Nacional e que o esperasse ali.
Afirmou que o Zamora chegou à Marinha, e o informou que já tinha tomado a decisão com conhecimento do então Primeiro Ministro, Carlos Gomes Júnior, para atacar a residência privada do Presidente Nino.

Esclarece que o Zamora ordenou que tocasse o sino de formatura e a patrulha agrupou-se, transmitiu-se as ordens do comando. Imediatamente a pé, armados e fardados dirigiram-se para o local, ou seja, a residência privada do Presidente Nino.

Disse que segundo as indicações ficaram nas traseiras da casa do Presidente Nino, aguardando a chegada de outras forças, nomeadamente, do Batalhão de Mansôa.
Foi nestas condições é que processaram o ataque à residência do Presidente Nino.
Esclarece que às 06h00 de manhã, teve a comunicação pelo telemóvel do 1º Sargento Pansau Inchama, de que o Presidente Nino foi morto e que ele por sua vez, comunicou ao seu superior hierárquico Zamora Induta, de que a missão foi cumprida. ”

Sem comentários:

Enviar um comentário