Doka

Doka

quarta-feira, 20 de Agosto de 2014

Vamos ver isto e análisar, porque é um crime como muitos outros que continuam impúnes pessoas que a práticaram
“ O Caso 17 de Outubro” 
Hoje não é segredo para ninguém de que “Nino” Vieira desprezou o apelo do Papa João  Paulo II, virou as costas às organizações internacionais e traiu a confiança das mais diversas 
entidades nacionais e estrangeiras, que lhe pediram solenemente, em nome da humanidade, para que poupasse a vida dos seis condenados à morte, gesto que poderia, talvez, mudar o 
curso da história na Guiné. 
O que o teria levado a exibir tamanha arrogância?

“Por um carcereiro e outras fontes, que ainda não posso citar, soube que na prisão,  enquanto se aguardava a concessão de clemência, Paulo Correia dizia: ‘ É verdade que estão 
a fuzilar cidadãos inocentes? 
Não, não posso admitir que isso seja uma realidade! É incrível 
que o Presidente se tenha deixado convencer de uma tão incoerente tentativa de golpe de Estado! 
Ao menos, dêem-nos oportunidade de vermos os nossos filhos pela última vez!” 

No entanto, Álvaro Nôbrega, no seu livro intitulado “A luta pelo poder na Guiné-Bissau” 6revela por sua vez o seguinte : 

“Depois soube-se que quando os pedidos de clemência chegaram, os réus já tinham sido fuzilados e enterrados. Segundo a África Continental 

7- foram-no poucas horas depois do termo da reunião do Conselho de Estado.” 

Entretanto, no término do delicado exercício de recomposição a que nos entregamos à volta do “Caso 17 de Outubro”, deparamo-nos com uma revelação insólita do jornalista João Carlos Gomes
tornada hoje dia, que, em resumo, diz: 

“ (...)... Baseado nas informações a que o autor desta peça teve acesso, apesar do facto de que Paulo Correia foi condenado à morte pelo Tribunal Militar, conta-se que o então Presidente Nino Vieira ainda não tinha proferido o seu veredicto final, enquanto Primeiro 
Magistrado da Nação. (...) Aparentemente, o Presidente estava a avaliar, não só, o impacto político-militar da decisão, a nível nacional, mas também, a reacção da comunidade internacional, antes de fazer cumprir a pena de morte. (...) ” 

E o jornalista continua: 
“Entretanto, segundo as mesmas fontes, alguém na hierarquia governamental decidiu mandar cumprir a sentença. Quando, face às reacções que estava a receber, tanto a nível interno como internacional, o Presidente Nino Vieira voltou a abordar a questão do Paulo Correia com o indivíduo em questão, foi informado de que: “No bibil dja udju” (termo crioulo, utilizado noutros tempos, no seio do PAIGC, como código para, ‘fuzilamento’) Quem usou esse termo foi Coronel João Monteiro. (...) ” 

Mas o Álvaro Nôbrega volta à carga

: “Recentemente tem sido divulgada uma nova 
explicação para o facto dos seis condenados à pena capital não terem sido poupados. 

Os pormenores não são muito abundantes em relação a quatro dos fuzilados, mas sobre o Paulo Correia e Viriato Pã, as caras do Golpe, conta-se, segundo o ‘Banobero’ que terão sido 
brutalmente seviciados após a condenação.”

 Eis com efeito, o que o jornal guineense ‘Banobero’ escreve: “Quebraram a bacia do Paulo Correia e este rastejava, na Segunda Esquadra (...) pois não podia caminhar. Ao Viriato Pã 
ferroaram-lhe os olhos.” 

Retomando Álvaro Nôbrega: “ Fisicamente destruídos, estes homens constituiriam, aos olhos de todos, a prova viva da falta de humanismo do regime pelo que se ordenou a sua rápida execução em local que permaneceu secreto até à queda de Nino em 1999, ‘encontrando-se’ por essa data a vala comum com 22 cadáveres; 
os mortos do processo cujos corpos nunca foram entregues às famílias, nem aos cuidados de um médico legista.”

Obs:
Guineenses pesquisem a nossa história, o nosso passado, e mostremos ao mundo o que tem que ser mostrado.
Ajudemos aos familiares e a todas as vitimas que sofreram crúeldade por parte do PAIGC.

Lutemos pela verdade, procuremos a unidade, a reconciliação e o perdão e só assim estaremos e viveremos em paz.

Deixemos de protagonismos, e vamos pela decência e caractér.
Eu Doka, não brinco em serviço, porque luto pelo bem estar do meu povo e defendo aos injustiçados.
E nesse campo, poucos estão comigo.

Porque grande e espaçoso, é o caminho da perdição, ao passe que o caminho da verdade, esse sim, é muito estreito e poucos lá conseguirão chegar.
Eu Doka optei pelo mais dificil. A verdade.



Guineenses, mais um desastre, um crime, um atropelamento que ceifou a vida de um jovem nas nossas estradas de Bissau, devido a imprudência dos nossos e muitos condutôres que não teem responsabilidade no volante.
No passado dia 02 de Agosto do corrente ano, por volta das 22 horas, nas pròximidades do Bairro de Ajuda, um jovem chamado Atanasio Mendes Soares da Gama mias conhecido por SAMIR, FOI ESTUDANTE DA ARGELIA.

Filho de Lete M. Tavares.


A pessoa em causa, neste caso o condutôr que atropelou foi um sr. chamado Bubacar Sane.
Viatura cujo registo: RGB- 8932- CE.
A familia da vitima dizem não saber o modelo do carro.
E que foram até a esquadra a fim de verem a viatura, infelismente o mesmo não se encontra lá apreendido por enquanto.

E que nem sabem se o homem foi detido ou não.

Continuemos a seguir este caso.


As nossas policias apenas trabalham de dia nas nossas estradas.

A noite sentem arrepios









JOMAV: SIMBOLO DA DIVISÃO NACIONAL...

Nha ermons, sobre o embuste de “equilíbrio étnico” criado por José Mario Vaz, permitam-me que vos sintonize com dois exemplos apenas. 
Primeira analogia
imaginemos um “grupo de guerrilheiros” na tentativa de atravessar um rio extenso povoado por crocodilos, com o temporal e ainda surpreendidos pela força inimiga, fustigando-os. Nestas circunstância, os guerrilheiros que conseguiram escapar o calvário, constituiriam o grupo, ou o “equilíbrio” conquistado, com que o seu comandante passaria a contar. Neste caso, o comandante não pode agora vir, ao terreiro, arrogar-se no direito de dizer: “não, não, não voces que eu preciso, etc, etc”. 

No segundo exemplo, recorremos a imagem futebolística, corrente. Pensemos, por exemplo, na equipa de fotebol de França, geralmente, constituida, maioritariamente, por jogadores oriundos, ou com descendencia, africana ou outras. Será que vamos dizer que por este fato, a equipa francesa perde o simbolismo nacional, por ser formada por negros e passaria a chamar-se como, africana, do Mali, de Senegal, de Camarões, etc.? Nunca, é francesa e ponto final!

Ainda na lógica da questão colocada no texto anterior: como pode o atual Presidente da República da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, provar a “etnicidade” dos militares guineenses se todos esses homens e mulheres têm Bilhete de Identidade de cidadão guineense iguais da dele? Se todos nós temos pertença étnica na Guiné-Bissau, ele não constitui exceção, e s sua não é a melhor. 

Conclusão
José Mário Vaz ao assumir o cargo de Presidente de todos os guineenses não se despojou das suas emoções pessoais, pertença étnica. José Mário Vaz deixou de ser o “símbolo da unidade nacional”.

Nababu Nadjinal        

terça-feira, 19 de Agosto de 2014

PARTE 2.-------------- NUNO G. NABIAM  (Cont).
Com todas as falhas cometidas pela equipa liderada pelo Juliano Fernandes antes e durante a primeira volta..., NUNO deu- se de conta, mas o homem não queria entrar em choque com ninguém, pelo menos naquela altura.

Existiram cenas, comportamentos e atitudes graves...., muitas vezes Nuno disponibilazava dinheiro para certos pagamentos, mas muitas dessas vezes nada era pago e apenas nas reuniões o homem vinha a descobrir as borradas..., e dizia, mas isto eu dei dinheiro para pagarem..., noeadamente no que se relacionava aos músicos, esses coitados sempre sendo menospresados e maltratados, eram do tipo, " dixa kilass pá fim, kilas i ka nada,,., són pa usa eliss".

Dr. Juliano Fernandes, sem medir as consequências, apenas porque eu fui um critico nato em relação ao seu desempenho de porcaria naquela equipa em que ele liderava, disse- me na minha cara depois de um programa que eu Doka realizei numa das rádios de Bissau- Pindjikity ( KINTI WIT )..., de que as pessoas lhe disseram que eu era um perigo para o projecto de Nuno Gomes Nabiam porque eu afugentava as pessoas..., que as pessoas fogem e evitam de mim.

Caramba, eu lhe perguntei apenas duas coisas:
1- Que tipos de pessoas eu Doka afugento?
2- Que tipo de projecto é que o Nuno Gomes Nabiam pertence? De mentiras ou verdades? De limpeza ou de sujidade? De justiça ou continuaçao de injustiça?

O Homem não foi capaz de me responder. 

Mas continuando, essa equipa, estava ali para enganar e mentir.  E as pessoas como eu, que queriamos a verdade, de uma forma desprezivél fomos NCUNHADOSSS NA KANTU.
Sim, porque queriamos a verdade, queriamos a vitória, e estavamos lá entregues de corpo e alma.

Numa reunião no UDIB, a frente de uma média de 150 pessoas, o sr.  Tibna acusou Juliano Fernandes de tudo e mais alguma coisa, e pediu a sua demisssão..............., mas uma pessoa de respeito, digno de si, e com caractér teria aceite ou feito o pedido de demissão.  Mas como havia muito dinheiro em causa, o homem agarrou naquela posição só a fazer merda.

Mas o cumúlo de tudo, foi que para a segunda volta, Juliano vai negociar ou aceita a negociação com partidos que nunca elegeram um único deputado em qualquer circulo seja ela qual fôr, negoceia com candidtaos que nunca tiveram votos expressivos, e os tráz para o projecto de Nuno.  Trouxe bandidos mais sujos da nossa praça para dentro desse projecto.
Foi nesse momento que demos de conta que Nuno já tinha perdido a segunda volta. E PERDEU.

Bandidos com mãos sujas de crime de sangue, pessoas que mataram, pessoas que roubaram e ainda roubam e teem processos com a justiça na nossa Guiné..., e muitas outras burrices.  

É esse o homem que me quer fazer frente dizendo que o Doka afugenta pessoas??? Eu Doka luto pela verdade, mostro as verdades que muita gente não quer ver ou teem medo, eu Doka faço frente aos tubarões, entro no ninho de cobras e saio ileso, porque sou protegigo pelas almas daqueles que foram injustiçados mas acima de tudo por DEUS

Nuno perdeu  por causa de Juliano Fernandes, houve pessoas que traíram ao Nuno e entre eles estaria o Juliano.
Pôxa, o primeiro pecado, sempre é cometido dentro da casa e só depois veem as pessoas de fora também para pecarem.
E Nuno saíu bastante mal neste processo devido a uma equipa sem valores, sem uma comunicação social profissional e agressiva, sem energia para ir a luta.  
Nuno estava rodeado por cobras e lagartos. E Juliano permitiu e participou na sua derrota..

Mas uma coisa digo ao Nuno....., nunca julgar ou desprezar o potencial de certas pessoas apenas por aquilo que este ou aquele diz.
Porque nem sempre, tudo o o que bóia no rio, signifique que possa ser tronco de árvore.  Pode ser cócó ou crocodilo.
E Julianos era e foi um bom samaritano, tinha lábias, parecia um garranhão, mas no fundo era um astuto, um lobo, um perigo que participou na tua derrota.

E eu Doka, vivi os teus momentos mais dificéis, estivemos sempre juntos depois de tudo, durante muito tempo, mesmo quando estavas abatido, eu estava ali a encorajar te e tu sabes a que me refiro.
Portanto, nunca me consideres como um simples conhecido, mas sim como um amigo e irmão verdadeiro.

A tua derrota doeu- me mais que qualquer outra pessoa, porque queiras ou não, hoje temos uma ligação directa e muito forte.
Tu sabes a que me refiro.

Deus te proteja, e espero que me chames no teu próximo projecto, só que aí não vais perder.
DOKA. 
  

CHEFE TRIBAL NA PRESIDÊNCIA…

José Mário Vaz, para além de praticar a corrupção ao mais alto nível, em toda a sua vida como empresário do regime de  Nino Vieira, como governante, e ainda é amarrado às ideias tribalistas, racistas e discriminatórias. 

Jurou a constituição que decidiu e agora decidiu violá-la com esta iniciativa de “equilíbrio étnico” no batalhão para a Presidência da República. Está a imitar que país em África? Que eu saiba não há nenhum guineense com BI a discriminar etnicamente balantas, manjacos, papeis, fulas, mandingas, bijagós, etc. 

Mais: os uniformes militares  não têm pertença étnica, são símbolos guineenses. Outra coisa: a função de Presidente da República é dos guineenses e não é de nenhuma etnia em especial. Se José Mário Vaz aborda as questões nos termos em que os colocou, isso significa que ele próprio não constitui símbolo da unidade nacional, logo não é Presidente de todos os guineenses.  

Afinal de contas estamos perante um chefe tribal e não de um  “representante da República da Guiné-Bissau”!  Portanto, tem que ser destituído pela Assembleia Nacional Popular, antes que seja tarde demais.

Nababu Nadjinal
Alerta vermelha- Nenhum militar da etnia balanta fará parte da segurança presidêncial (Batalhão).
Aqui está um risco que teriamos que estar preparados a evitar.
O que significa tudo isto?
Pensem.
rafik sarvolco deixou um novo comentário na sua mensagem "OLA DOKA… Como é possível tanta petulância? Afinal...": 

OLA DOKA! A UTOPIA DO RECÉM ELEITO PRESIDENTE DA REPUBLICA- JOMAV

Primeiramente quero dizer ao núcleo de pessoas que apoiam a iniciativa do presidente da republica de estabelecer paridade étnica na guarda presidencial não passam de grandes tribalistas cujo objectivo é fazer montagem e planos para a liquidação da etnia balanta.


Eu quero chamar atenção de todos os balantas e outras etnias sobre a repetição do caso 17 de outubro de 1985.É para dizer que a toalha caiu da mesa e ja se pode saber qual a cor da mesma,O Presidente da publica é um tribalista por excelência.


E ninguém vai cruzar os braços deixando o pais cair na guerra civil.
Mas afinal pergunto:
O Presidente da republica tem como o programa prioritário a perseguição da etnia balantas?

FIQUEM ATENTOS

Obrigado