Doka Internacional, sempre na linha da frente.

Doka Internacional, sempre na linha da frente.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Caramba, o Progresso Nacional está força máxima.
Agora o Doka Internacional deixou de ser traficante de droga, deixou de ser pedofilo, deixou de ser ladrão a mão armada porque assaltava ourivesarias em lisboa..., a Interpól o deixou de procurar e simplesmente o mandato de captura internacional evaporou, desapareceu...., e de um momento para o outro se descobre que é Gay?    MUCHACHO, como eu sou bandido

Sakur anta mundu dana djá
Credi..., anta assim kum miti djintis raiba?

Ahh afinal de contas o Doka é Poderosissimo.

Realmente, é aqui que reside o meu potencial, dando raiva a muita gente.  As mesmas pessoas escrevendo os mesmos artigos, e repetindo
Mas eu tou aqui, intacto 

Iaii, má kussas ten bó

O Doka conseguiu descontrolar ao DSP e toda a sua equipa, e nisto já não restam dúvidas.
Estou a frente e marcando pontos.
O Progresso Nacional descontrolou- se, perdeu com o foco.
O DSP e toda a sua equipa se sentem atingidos por mim.

É aqui que marco a diferença.
Sou imbativél.

Ahhh, falaram do carro.., mas qual deles?
Quantos é que tenho?
Apenas para vos ajudar
Tenho 5 viaturas mais uma que dei a minha esposa, mas agora não sei a qual deles se referem

Um beijo de Gay já agora.
MUCHACHOOO
Como eu sou bandido
OLA DOKA INTERNACIONAL

Vou dizer-te o seguinte: vê-se, claramente, que a claque de Domingos Simões Pereira, no Progresso Nacional, está desesperada. A queda do padrinho é eminente! Não têm argumentos, nem propostas para o país. Não têm ideias políticas com conteúdo e substância. Zero! 

São ranhetas e bajuladores apenas, ao serviço do padrinho mafioso. A minha opinião seria multiplica-los todos por zero. Os cães ladram a caravana passa. Perderam em todos os níveis, e agora, como sabem que estão prestes a serem escorraçados do poder, começaram a ladrar. Bo tisi bo kadera no na mostra bos ba kin ki gay, pedofilos, vagabundos e traficante de droga. 

Não aprenderam nem em casa e muito menos na escola. Burros!

Will Graça 

Obs:
Bem dito mano.
Obrigado.
O problema é que eu Doka descontrolo a muita gente e faço- os passar por ridiculos de uma forma indirecta.
Estamos juntos e recordar que o Internacional só existe um na Guiné Bissau..., o Doka
OLÁ AMIGO DOKA INTERNACIONAL

Gostaria de entender uma coisa: então, se, o próprio, Domingos Simões Pereira é parte do problema que está na origem do actual ambiente de crispação política institucional, como pode ele mesmo, afirmar-se sobre a necessidade do diálogo, que "Não quero chamar a mim a competência de promover o diálogo. O que estou a afirmar é a disponibilidade para participar no diálogo e utilizar os espaços de contacto que tenho com a comunidade internacional para pedir apoio."? 
Será ele única pessoa com conhecimentos internacionais para pedir apoio de mediação ou pensa que está a lidar com otários? Manda-o catar pá!

Obs: 
Boa pergunta

Sabino Lopes elmirlopes@gmail.com


Minha opinião – Temos de moderar

Caros blogueiros, sou blogger e queria que me ajudassem a partilhar esta minha preocupação.

Quis ficar no anonimato, mas não pude. Deixei de postar, porque senti que não devia fazer parte dos insultos ou das denúncias; deixei de postar, porque em certos momentos, deparo com alguma dificuldade em termos financeiros para ir a loja. E como é do conhecimento de todos, a internet, continua a ser ouro na nossa terra. Queira Deus que a praça Titina Silá seja mesmo praça da net, como se prometeu.
Mas decidi voltar, porque senti que os bloggers guineenses (perdoem-me a ousadia e frontalidade), não estão a prestar o bom serviço a nação. O guineense quer informações; o guineense quer denúncias contra corrupção com factos, mas o guineense não quer insultos. É isto que tenho assistido. Pessoas responsáveis pelos blogues insultarem-se uns aos outros. Sei do que falo, porque felizmente, conheço as rédeas da informação e muito bem.
É verdade que o Blogue é um espaço de comunicação privada. Posso fazer o que quiser e a quem não interessar, o remédio é deixar de aceder. É verdade e é possível. Mas não é menos verdade que as visitas aos blogues são públicas. E nos espaços públicos, todos nós somos obrigados a comportar com decência, no mínimo.
Sei quais as motivações de tantos ataques. Alguém pode exteriorizar um não sobre o que digo, mas no seu interior, chegará rapidamente a conclusão que este senhor sabe do que fala. Sei por exemplo que, os nossos políticos aproveitam-se hoje dos blogues para ‘vazar’ as suas ideias; atacar o adversário ou dizimar o concorrente.
Sei que existem blogues com componentes comerciais, mas mesmo assim, não podemos nunca aceitar as ofensas.
Quero que me compreendam; quero que continuemos a passar informações aos guineenses porque precisam; mas não quero que sejamos partes de insultos.
Estou de volta e ajudarei a passar informações.

ÁRBITRO, PRECISA-SE
Domingos Simões Pereira continua a falar para o boneco? Diz que quer o diálogo que se presume ser institucional com o Presidente da República, José Mário Vaz. Que diálogo? Como ele define o diálogo? 
Perguntado pela ONU sobre o " Programa de Diálogo Nacional " que pretende lançar para promover a paz e a reconciliação, respondeu assim:A constatação que faço é a de que a sociedade precisa de diálogo. Não quero chamar a mim a competência de promover o diálogo. O que estou a afirmar é a disponibilidade para participar no diálogo e utilizar os espaços de contacto que tenho com a comunidade internacional para pedir apoio. Para dialogar é muito importante ter a vontade, mas não é suficiente. É preciso saber dialogar. E quando falamos de diálogo nacional a favor da reconciliação é preciso que a facilitação do diálogo seja feita por pessoas neutrais. Devem ser pessoas com competência para promover o diálogo. No fundo, falamos da necessidade de diálogo porque reconhecemos poder haver interesses não conciliáveis, ou dificuldade em conciliar o nosso interesse." 
Ora bem, Domingos Simões Pereira reconhece a importância do diálogo e a necessidade de ele próprio participar nele, mas o seu problema será a competência do promotor do diálogo que tem que ser, no ponto de vista dele, neutral. 
Como? 
Esclareceu ele: 
"é preciso reconhecer que precisamos de ajuda de quem tem mais experiência em promover o diálogo, precisamos do apoio de pessoas neutrais. Eu continuarei disponível para ser parte do diálogo e dar a minha contribuição no sentido de encontrar um ponto de equilíbrio." 
Ai, a situação está assim tão desequilibrada entre irmão, que necessita de um promotor competente e neutral para mediar o "Diálogo"? A divergência não será apenas doméstica? 
Domingos Simões Pereira continua a pregar pelo mundo fora. Reconheceu na sua visita a Cabo Verde que existe "Falta de alguma concertação", referindo-se o ambiente de crispação política institucional com o Presidente da República, José Mário Vaz. 
De facto, o povo guineense não pode ser arrastado, mais uma vez, para o abismo a conta de caprichos pessoais dos dirigentes políticos. Disse, o Primeiro-ministro, esperançado num "consenso que o povo guineense não só espera como exige". 
É verdade que nesse tipo de confrontos, a culpa é sempre do adversário ou inimigo. Será que o Presidente da República não tem sabido colocar-se das querelas políticas? Insinuou, então, Domingos Simões Pereira que "o interesse do povo guineense tem de ser colocado em primeiro plano e não tenho dúvidas nenhumas que o Presidente saberá fazê-lo". 
Conclusão: 
o actual ambiente de crispação política institucional pode entender-se como conflito de interesses instalados a precisar de um "mediador" neutral com a desforra marcada. Que Deus nos dê saúde para assistir a festa nesse dia!
Doka Internacional..., allá akkubarum!
Humm, humm
"IMAGEM PÚBLICA"

Nós vimos e assistimos muitas tolices por parte de algumas figuras públicas, na nossa terra. Recordo-vos que o barrete vermelho de Kumba Ialá - que não era peça de índole religioso - era alvo de troça e critica de muito boa gente. Depois da sua destituição, já no tempo de Malam Bacai Sanhá e de Carlos Gomes Júnior, vimos essas figuras usarem túnicas e gorros (sumbia) imitando Cabral. Nessa altura, mesmo com as suas cargas simbólicas, não houve escárnios ou críticas.  

Ora, repugna-me sim o uso intencional de "vestes sacerdotais" pelas figuras públicas, representando instituições de um Estado laico, como é o nosso. As instituições do nosso Estado não são "Fazendas de Shebaa", território onde se cruzam fronteiras de várias proveniências. Não são lugares de culto ou de peregrinação da fé religiosa. Guardião ou autoridade pública em instituição de um Estado laico não se pode confundir com "balobeiro", aladje ou padre. O traje deve ser - sobretudo quando ainda não se tem consenso sobre o assunto - o usual entre os responsáveis ou representantes dos Estados semelhantes em outras partes do planeta terra. 

Na Guiné-Bissau, as figuras investidas em cargos públicos não devem pensar que se tornaram "balobeiros" ou padres. Falo nisso a pensar na insistência de Cipriano Cassamá em usar túnica islâmica, sendo ele Presidente da Assembleia Nacional Popular de um Estado laico. Isso não é africanidade, mas sim religiosidade. A religião é profissão de fé individual e privado da cada um de nós. Não se pode inculcar aos outros a nossa fé religiosa e nem sequer ela se pode confundir com a cultura ou política.

Doka Internacional 
Dr. Paulo Gomes, um guineense humilde, simples, respeitoso, calmo, uma pessoa carismatica em que o povo depositava toda confiança e muita esperança para que fosse eleito presidente da Guiné Bissau.

Dr. Paulo Gomes desde sempre com muita simplicidade mostrou alto nivél de profissionalismo no que se relacionava com a sua candidatura.

Tinha meios para ganhar tudo e mais alguma coisa.   Mas o que foi que correu mal?  
Pois bem, se existe alguém a quem eu Doka muito devo em termos profissionais, foi a este homem. Quando terminei os meus estudos em Cuba, foi ele que me arranjou o meu primeiro emprego.  Pôs me a trabalhar directamente com ele num projecto do Banco Mundial.  O primeiro computadôr que toquei e aprendi a lidar com tal..., foi graças a este homem, Dr. Paulo Gomes.

Dr. Paulo Gomes tinha tudo nas mãos, mas eu Doka farei uma outra pergunta:
Será que tinha as pessoas certas e bem colocadas ou bem posicionadas?
Será que alguns não estariam ali como simples ou discretamente infiltrados a fim de fornecerem informações a quem do direito?
Como foi que Dr. Paulo Gomes ficou abaixo das expectativas?  

Muitas das vezes, algumas pessoas se apróximam de nós na base de interesses pessoais a fim de ganhar algum dinheiro..., digo dinheiro porque o guineense de momento perdeu caracter.   Procuram e sempre fazem facturações elevadissimas quando sabem de ante mão que ali nada corresponde a verdade.   Dr. Paulo Gomes, talvêz com a sua forma simpatica e amavél de ser, confiou até demais naqueles em que nunca deveria ter confiado.

Mas uma coisa é certa, perdeu as eleições, mas saíu de lá com a cabeça erguida, saiu com respeito e ganhou mais credibilidade do que aquilo que ele já tinha.  Portanto sabendo corrigir os erros do passado, penso que Dr. Paulo Gomes tem tudo nas mãos para fazer diferença futuramente.

Trabalhar com pessoas mais dedicadas e empenhadas, controlar melhor a situaçao, e encaixar as peças como deveriam ter sido encaixadas e não apenas pelo fala barato.

Dr. Paulo Gomes gastou muito dinheiro e de uma forma desnecessária em algumas áreas nomeadamente na música.  Nesta área teria que ter tido em conta uma pessoa responsavél para tal mas de concenso naquela respectiva posição.  Não vale a pena dizer, não este é um grande músico. Ok, mas e o resto? A personalidade? O caracter, a postura? Só neste ponto eu Doka Garanto que perdeu aquilo nunca deveria ter perdido..., dinheiro.

Mas por outro lado, muita gente se apróximou por dinheiro e muitos nunca davam o ponto de situação como deveria ter dado. Faltou a verdade em alguns aspectos.
Penso que os guineenses deveriam observar bem a esta figura, porque tem muito que dar a guiné bissau e aos guineenses.