Sabem o que se passou aqui? E quem é ela? Adivinhem...

Sabem o que se passou aqui? E quem é ela? Adivinhem...

quinta-feira, 24 de Abril de 2014

A UTOPIA DE RAMOS-HORTA


Ele fez tudo na “secretaria” para que seja o PAIGC a liderar o novo governo “inclusivista” na Guiné-Bissau. Muito embora reconheça a dificuldade da sua concretização, delega a responsabilidade aos guineenses de trabalhar para construir essa sua utopia, chamada “governo mais inclusivo possível”. Não se pode braquear as lógicas que movem as diferentes correntes de opinião na Guiné-Bissau. O moço de recados da CPLP, Domingos Simões Pereira,  e a oposição, por exemplo, não partilham a mesma opinião em relação a reforma no setor da defesa  e segurança. O  atual Presidente do PAIGC já lançou o aviso de que vai endireitar os militares. O outro tema fraturante será a questão do julgamento do duplo assassinato de Nino Vieira e Tagme Na Waie. A corrente de apoiantes tanto de Domingos Simões Pereira como de José Mário Vaz não se identificam com esta iniciativa.  Por isso, no nosso entender, Ramos-Horta, pode continuar a pregar no deserto, porque para que haja mesmo “inclusão política” na Guiné-Bissau, a oposição terá que assumir a pasta de vice-Primeiro-ministro do futuro governo.
PADRINHOS MAFIOSOS


A dita “Comunidade Internacional” terá que ser responsabilizada por um eventual descarrilamento deste comboio político na nossa terra. Há um provérbio que diz: “Não faças aos outros o que não gostas que te façam a ti”

Para eles, nós é que somos a república de todas a bandalheira! Pergunto: como é que se pode “moralizar”, pacificar uma sociedade, apadrinhado a candidatura de gatunos ao poder? Ramos-Horta fê-lo,  forma velada, em relação a “candidatura suja”, de José Mário Vaz. Figura sobre a qual impende uma gigantesca suspeição judicial por desvio de muito milhares de dólares, fato que o transformou em arguido e que alguns - como o próprio Ramos-Horta -  argumentam, dizendo ser “inocente”. Veremos se as suas “balobas”, padrinho e bajuladores o colocam na cadeira de Primeiro Magistrado da Nação Guineense. Que sinal estaremos a emitir para a sociedade com a suposta eleição do gatuno? 

Ah, já sei! Todos os candidatos assinaram o pacto de “Aceitação dos resultados eleitorais, sejam quais forem”. Conclusão: todos os mandatárias do povo deveriam abdicar-se do direito de impugnação dos resultados eleitorais, dizendo ao povo guineense que façam um simulacro de eleições para que se possa fechar este ciclo de Transição política. Asseguro-vos que a vitória do gatuno José Mário Vaz é sinónimo da imoralidade e da desordem social total.

quarta-feira, 23 de Abril de 2014

Mais uma greve na guine bissau.
Uma greve numa nacao em que nada se faz a nao ser mentir, e enganar.
Um governo que nao consegue dar conta de recado practicamente de nada.
Um desempenho nulo cheio mentiras e falta de empenho e profissionalismo.
Mas felizmente penso que de momento, estamos ja a sair do lamassal em que os guineenses estavam vivendo.

Com muita magoa, custa- me a dizer isto

Este foi  o pior governo na historia da guine bissau.
O mais corrupto, o mais lento, o mais fingido, o que nunca teve autoridade e nunca foi respeitado por nunca ter querido se respeitar....., um governo sem ideias, sem planos, sem estrategias..., um governo que se reune todos os dias e sem resultado e sem objectividades.

Hoje, e aqui, eu Doka baixo a guarda e confesso que o governo de Manuel Saturnino da Costa, foi superior..., mas de longe a este governo.  Toda a gente esta saturada com o governo de transicao, ninguem fala bem de nenhum deles. Tudo aqui em Bissau esta parado no tempo, e o que mais predomina, adivinhem:  MENTIRA.  Apenas isso
CAROS IRMÃOS E COMPATRIOTAS

Chamo a vossa atenção pelo seguinte: chegamos ao momento esperado, fase decisiva da nossa vida enquanto povo, com história e bravura. O cata-vento, Ramos-Horta, esperava também por este momento para mostrar a sua verdadeira face: retornar o PAIGC e o seu gatuno-candidato no poder. Contudo esteja, neste preciso momento, a confeccionar cardápio para servir o nosso povo, a sua missão ficará concluída quando colocar o gatuno José Mário Vaz (JOMAV) na cadeira do poder na Guiné-Bissau. A máscara caiu! As futuras turbulências serão da inteira responsabilidade do cata-vento, Ramos-Horta, que decidiu compensar desta forma, não a Guiné-Bissau, mas sim ao PAIGC.

Deus abençoe Guiné-Bissau!  

Anonimo

segunda-feira, 21 de Abril de 2014

NIN KU PENAAA…

NIN KU REMUUU…

NO RABIDA NO NA NOROSTIA KOSTAAA….





Irmãos e compatriotas,



A nossa terra está, de novo, adiada!

Esta pequena estrofe de Tino Trimó, traduzida, chama atenção do fato de que, muito embora, tenhamos as rédeas do nosso país nas mãos (a soberania), não fomos ainda capazes de levantar voo, nem de dar a largada, rumo a paz, democracia e desenvolvimento desejados. Continuamos a noroestear pela costa!



A aversão ao colonialismo, salazarismo e neocolonialismo é deveras  insanável no nosso espírito! Poi, para nós, os heróis da causa da liberdade e da independência têm que ser honrados. É isso que nos coloca em oposição aos defensores da ideia de regresso dos tugas. Eles odeiam a nós e as nossa forças armadas pela contribuição heroica dos nossos combatentes no derrube do salazarismo. Esta corrente revanchista apoderou-se da CPLP transformando-o num instrumento político de ingerência nos assuntos internos dos nossos países. O comportamento da incontinente verbal, eurodeputada Ana Gomes, a luz do dia 13 de Abril, junto a uma mesa de voto, no bairro de Chada, é prova palpável do insuperável complexo colonial dos tugas e dos seus lacaios. Vejamos: para além do fato da Lei proibir a presença de “não eleitores” junto ao local da assembleia de voto, Ela vedada, por outro lado,  qualquer propaganda dentro das assembleia de voto e fora delas até à distância de 500 metros. Ora, nesse dia, a histérica eurodeputada, não respeitou essa decisão legal! Ignorou tudo e todos, cumprindo a sua promessa de Portugal “sujar” as mãos na Guiné-Bissau, emitindo uma fedorenta declaração como sinal de apoio ao PAIGC e o seu presidente, Domingos Simões Pereira e ao larápio-candidato, José Mário Vaz, ameaçando e tentando incriminar a CEDEAO pelo apoio político ao Governo de Transição e sobre o passado recente que justamente se procurava transpor nesse ato eleitoral. O mais grave terá sido a passividade dos agentes da CNE e o “mundo” que assistiam impávidos e serenos as provocações da ordinária eurodeputada portuguesa Ana Gomes.  



Irmãos e compatriotas,



Como estava a dizer, o futuro do nosso povo está, de novo, embaraçado!



Venceram as formalidades eleitorais e a mentira!  O sentimento do povo esse foi, mais uma vez, reprimido. Ramos-Horta e Ana Gomes, podem refogar o prato como quiserem, o moço de recados da CPLP não governará na Guiné-Bissau! O mundo viu e assistiu o caudal de apoio do eleitorado ao PRS e ao Candidato independente Nuno Gomes Nabiam. É fácil tirar ilações! O  PAIGC e o seu arguido-candidato não chegaram a atingir as percentagens das votações anunciadas pela CNE. A começar pelos percursos políticos de cada um deles dentro do seu próprio partido, PAIGC. Os lugares que ocupam hoje foram comprados. Fato que contribuiu para a divisão no seio do PAIGC e do seu próprio eleitorado duranta o escrutínio. Portanto, são realidades que todos conhecemos e assistimos todos os dias que não cola com os arranjos formais da CNE para legitimar o governo do PAIGC no poder.



O moço de recados da CPLP e lacaio dos tugas, Domingos Simões Pereira e o seu gatuno-candidato, José Mário Vaz, são expressão do terrorismo,  narcotráfico e branqueamento de capitais na Guiné-Bissau.



Na Guiné-Bissau, “o povo é quem mais ordena”!
JOÃO PEDRO MARTINS E ANA GOMES NA INTRIGA DESPROVIDO DE CORROBORAÇÃO, E JUÍZO IMPROVIDO DE JUSTIÇA.

http://www.youtube.com/watch?v=tLtIjhH738k&feature=share

João Pedro Martins, jornalista da Rádio Difusão Português para África, num dos seu programas radiofônicas, que emite no período de manhã, nessa mesma instituição emissora, fez uma adaptação de texto de Ferreira de Castro. Donde o remeteu pessoalmente ao Chefe do Estado Maior das Forças Armadas (CEMFA) da Guiné-Bissau, Antônio Indjai.

Nessa mensagem, que aparenta autenticamente uma sentença de condenação,consignada pelo Joao Pedro Martins, contra o CEMFA da Guiné-Bissau, cheia de acusações francamente improvidas de alguma ocorrência para corroborá-la.
Antes, foi a eurodeputada, Ana Gomes, em acusar a CEDEAO de patrocinador de golpe do Estado de 12 de Abril 2012, na Guiné-Bissau. Ao proposito, pergunto:

Qual foi a posição da eurodeputada e do jornalista, quando a liberdade e os direitos dos guineenses estavam sendo violados com perseguições, intimidações, torturas e assassinatos, antes de 12 de Abril de 2012?

Hoje, com ânimos bastante exaltados, estão querendo comemorar a retoma da normalidade constitucional na Guiné-Bissau, entretanto, sem apoio da CEDEAO, ou melhor, se a CEDEAO tomasse a mesma posição que pretendiam, para ilibar da vossa acusação de ser patrocinador do golpe. Não teriam motivos de comemoração?

Meus caros, jornalista e deputada, graças à DEUS, pelos visto, percebe-se que o povo guineense, na sua grande maioria ou no geral, não sente mínimo regozijo e orgulho com a situação em se encontra o seu pais“no mama Guiné”. Facto comprovado recentemente, no dia 13 do corrente, quando foram chamados às urnas para exerceram os seu direitos cívicos, à proposito das eleições gerais. Apesar de tantas circunstancias que jogaram para insucesso desse processo, porém, o povo guineense, com espirito de luta, e ainda,incrementado pela sua imensa avidez de unidade, testemunharam ao mundo a sua afirmação de um povo unido e lutador para conquista da sua independência e soberania. Eu sei que esse facto,sempre incomoda os portuguesesfascistas e colonialistas, que nem o senhor jornalista e a senhora deputadaestão querendo parecer.
Entretanto, saibam que, essa grande determinação do povo guineense, pela sua liberdade e autonomia, deve-se porque, como cantou uns dos nossos músicos, Iva e Ichi, “ i no balurDEUS kudanuel, nin no kamansirkalnan” ( é a nossa serventia dado por DEUS, sem têrmo-lo pedido). Aliás, os guineenses são dignos das suas liberdades e autonomias, pois, é um privilégio venerável de todo ser humano. Pelo que, sempre os guineenses estarão dispostos a preservá-las.

Senhor jornalista, estáincriminando queo CEMFA pisou sobre outras camaradas, para se ascender à esse posto, e, outras acusações insinuadoras de ódios e conflitos, desprovidas de nenhuma prova vidente, senão a pretensão de caluniar e difamar.

Também, é patente na sua mensagem, o intento de descreditar os sacrifícios heroicos dos nossos bravos combatentes, e a tenção de subestimar os feitos de alguns combatentes, quando afirmou que o povo guineense já se esqueceu dos sacrifícios de heroísmo do CEMFA e outros combatentes, durante a luta de libertação.

Meu caro, nós, todos guineenses, estamos eternamente gratos pelos nossos combatentes da liberdade da pátria, pelos seus sacrifícios pela liberdade do nosso povo, sem descriminação de qualquer que seja contributo de cada um. Portanto, desista-se da intenção de os classificarem de forma indiscriminada.

Caro jornalista, no preciso momento, o povo guineense, indispensavelmente, espera e conta com apoios dos seus amigos, no sentido de consolidar mais a sua coesão e a sua afirmação na senda internacional, mas não as vozes que evocam fogo ou temporal para destruir a sua morança.

Não se imiscua nos problemas internas de um pais por acaso, sem se inteirar melhor da real situação, ou não intente impor a sua posição de política colonialista e fascista.
Bo tem pasensa, si bokanadjudakumpu, kabodananubambaran (se não estão a fim de ajudar em construir, não nos estraguem a família, se faz favor)!

Acha que, ainda a Guiné-Bissau é a Província Ultramarina Portuguesa?
Sei que ainda padece gravemente, das dores de cotovelo, os portugueses fascistas e colonialistas, pela derrota e humilhação sofrida na perda de Província Ultramarina de Guiné.

Ah, que dó! Pois, jamais a República da Guiné-Bissau tornará Província Ultramarina Portuguesa. Posto isso, é melhor desavezar dos anseios de ver permanentemente a Guiné-Bissau como colônia ou sob rédeas de Portugal.

Viva liberdade,
Viva independência,
Viva Guiné-Bissau,
Viva Unidade Nacional,

Un dia no kabas na sabi, nona kumetoku no limbi mon.
Velho Nael
Florianópolis 20/04/2014

sábado, 19 de Abril de 2014

A Guine Bissau esta num momento de SUSPENSE..., ninguem sabe o que vai acontecer.
Traicoes, saidas por traz, mentiras.............., toda a gente quer dinheiro nem que seja para matar a sua mae ou ao seu pai.
O que lhes interessa, apenas um bom cargo no governo, etc.
A segunda volta, Nuno e Jomav, muita tinta vai correr.

Mas existe algo, esquisito que eu Doka nao estou percebendo:
Sera que o Jomav vai ter o apoio total e incondicional do PAIGC?
Sera que existe uma boa relacao entre Domingos S. Pereira e Jomav?

Recordar que a esposa de Domingos teve aquele problema e Jomav nao a perdoou.


Mas muita confusao no seio do paigc, esta gente ainda nem formou o governo e ja iniciaram as brigas.

A uns dias atras, BACIRO DJA e AUGUSTO OLIVAIS findi un utru kadera dentro di cassa garandi- Sede do paigc.

Aquilo foi um desastre.
Vamos em frente e veremos o que dali vai sair.

Nuno Gomes Nabiam, tem tudo para ganhar a segunda volta, mas agora basta saber como Nuno vai gerir a sua equipa.
Vai haver muito trabalho e muito empenho..., mas temos que ter as pessoas certas no local certo.

Doka Internacional