OGIVA NUCLEAR

terça-feira, 31 de março de 2015

ANGOLA: BANCO PARIU BANCO?

Como um banco pode dar luz a um outro banco? Pelo menos é o que parece acontecer em Angola, entre o Banco de Negócios Internacionais, presidido por Mário Abílio Palhares e o Banco Prestígio criado por Tchizé dos Santos. Em jogo estarão 30% cedidos pelo Banco Mãe (BNI). 


De acordo com explicações, os bancos privados comerciais não podem conceder créditos para abertura de outros bancos. Trata-se de uma lei criada para proteger os próprios bancos de forma a impossibilitar com que os seus acionistas, num futuro, retirem os seus dinheiros para fundarem bancos concorrentes.

 A iniciativa viola a Lei das instituições financeiras (Lei n.o 13/05 de 30 de Setembro), em vigor em Angola.




Ler mais no Club-k
O povo quer respostas urgentes, porque quando falamos de DEMOCRACIA, falamos automaticamente de Justiça..., e o povo pergunta:  " Aonde está ou aonde para a Justiça "?
Guineenses, vamos nos unir, que ninguém sinta medo de fazer frente aos criminosos e a bandidagem.  Libertem o vosso espirito e apenas temam a DEUS.  Estando com ELE não existe medo e receio, mas sim LUZ e PAZ.

1- Quem foi que assassinou Ailton Nhaga? Porquê? Qual a razão da justiça até hoje não ter funcionado?

2- Aonde param os restos mortais de Roberto Cachéu? Sabemos quemm é o mandante/s..., e os executôres? Quem são eles? Tudo está abafado porquê?  Porquê o silêncio deste crime horrendo? Porque razão o padre Casal Martins não fala?  Eu Doka falei com ele pessoalmente?

3- Nicandro Barreto, mexam- se, façam alguma coisa, precisamos da verdade e da justiça de todas as mortes.

4- Quem espancou ao ex ministro Orlando Viegas? Porquê?

5- As muitas e diversas mortes, Helder Proença, Bass Dabó, etc.

6- O assássinato de Amilcar Baticãn Ferreira, quem disparou contra ele o matou a sangue frio?

7- O famoso caso 17 de Outubro, afinal havia ou não tentativa de golpe de estado? Porque razão de todos esses fuzilamentos? Torturas até a morte nas prisões?  Comos vivem os familiares hoje?

8- Quais os rastos e danos destas atitudes contra a dignidade da vida humana?

9- Lutar pela verdade e desmantelar coisas nojentas é crime?  Então que me julguem por ela.

10- Porque razão se fala apenas do regresso de Cadogo jr. e não de Fadul?

BISSAU: SOCIEDADE CIVIL ESFOMEADA


Djumblumani na baliza di bás! Segundo se noticiou, hoje, a Sociedade Civil Guineense  - congregando mais de 100 organizações sindicais - sem contenção e respeito pelos prazos propostos para as iniciativas e programas, já delira. Atirou pelo ar um comunicado, visando os doadores da Guiné-Bissau em Bruxelas, em que diz: "O Movimento espera que, desta vez, haja um andamento mais rápido possível na concretização das promessas assumidas por parte da comunidade internacional na conferência de doadores de financiamento dos projectos, num total de 1,8 mil milhões de dólares". Ai, eles não sabem que os fundos prometidos estão aquém desse montante? 

Até já fazem política partidária e tudo. É que o comunicado foi ainda mais insolente ao sugerir a existência de clivagem interna no país. Que país do mundo é isento de discordâncias políticas internas? Só nos Estados déspotas ou no paraíso! Diz, então, o comunicado da embrulhada Sociedade Civil: "exorta os titulares dos órgãos de soberania a terem maior cooperação, colaboração institucional e diálogo de forma a garantirem a estabilidade político-constitucional condição essencial para que o país possa merecer a confiança da comunidade internacional e desta forma desbloquear os fundos anunciados".  Que tolice! Merecer a confiança da comunidade internacional só depois de se terem apresentado de forma esfarrapada em Bruxelas? Será que a dita "comunidade internacional" desconhece o de democracia e dos seus limites? Devem pensar que a "comunidade internacional" não sabe que esta legislatura pertence ao PAIGC e não a Nhu Morgado. Era só o que faltava!

Kin ke bô na panta?

Uenhar-kantambe!
"MAMÃ GOIA"

Nhu Morgado foi, no dia 25 de Março, ao "Santuário de Bruxelas" para pedir "mon di timba", consciente de que isso sempre nos deu azar.  

Nhu Morgado parece atormentado pelos espíritos malignos. Tentou a invasão do país pelas forças estrangeiras em Setembro do ano passado nas Nações Unidas, usurpando a competência do Comandante em chefe das forças armadas, o Presidente da República, José Mário Vaz, sem troco. Porque o objectivo é o mesmo e o de sempre, Nhu Morgado resolveu dirigir, por via económica, o pedido a "mamã Goia". Nhu Morgado pedia, insistentemente, a mamã Goia que lhe aviasse a bebida e voltasse a repetir cada vez mais. Pediu-lhe, também, que lhe servisse bafatório (aperitivo) sem receio, visto que ele  até tinha trabalho e apresentou os seus colegas como testemunhas, garantindo a mulher que no fim do mês a pagaria. 

Bafatóriooo 
Ka nha medi nha pui!








Nhu Morgado, ka bu bin fala kabeça na deu dé!


segunda-feira, 30 de março de 2015

Nhú Morgado – Nas antípodas do poder presidencial



A mesa redonda não foi suficiente para amenizar a relação tensa entre a Presidência da República e Primatura.


Depois de Bruxelas ficou claro que o mal-estar continua.


De um lado o Presidente da República veio garantir o cumprimento dos compromissos assumidos em Bruxelas, isto é, dívida, muita dívida. Enquanto se exprimia em Lisboa junto da comunidade, num encontro em que proferiu um discurso eloquente, com um grande impacto, motivando os Guineense a regressarem a sua pátria, o presidente foi esclarecedor e galvanizador como normalmente acontece quando um presidente fala aos seus concidadãos.


Do outro o primeiro-ministro que insiste em prolongar o seu estado de angustia, desdobrando-se em comunicados, entrevistas (há mais uma prevista para esta noite), com a finalidade de ofuscar a figura do Presidente da Republica em todo lado, mas as coisas vão de mal a pior, depois do fracassado encontro com “os pombos em Lisboa” (os mesmos 10 ou 11 de sempre – bô burgunho dja, guintis ta tchoma bôs klakeros ou bariduris di padja), até a um mini festival no bairro da ajuda, muito longe do pretendido, Nhú Morgado já sofreu tentativa de agressão, apupos e arremesso de objetos nesse bairro no passado mês de Fevereiro. O chefe do governo continua a alimentar a sua dor de cotovelo com mais um entrevista a RTP-Africa, não se arisca a mais uma fraca adesão popular a sua presença em público.


Este duelo sobejamente conhecido de todos os guineenses tem sido alimentado pelo narcisismo de um primeiro-ministro que não “encaixa” a ideia de que há na Guiné-Bissau uma figura pública que se sobre põe a ele, precisamente a figura de JOMAV, alguém mais considerado pelo que já fez, não pelo que promete e que nunca faz.



Todos os órgãos de comunicação alinhados, assim como a entourage envolvente, estão expressamente mobilizados com a ordem clara de elevar a figura do Nhú Morgado até a divindade.


De Bruxela, nada de novo, deixamos mais elementos para reflexão:

·         objetivo de 1,8 Bilhões foi falhado, conseguiram apenas se em 1,1 (graças a deus pabia té nô tutur-netos na bata padidoba ku mon di timba);

·         Nesta operação Nhú Morgado endividou o país mais do que todos os outros governos juntos desde de 1973;
·         Só em 2017 começam a chegar as primeiras transferências de verbas SE A GUINÉ-BISSAU CUMPRIR, Nhú Morgado não fará caso mas JOMAV já alertou que será intransigente;

·         O caderno de encargos (kil ke Guiné tem di fassi pa recibi é dinheiro) é pesadíssimo, o provável é falhar o cumprimento e por isso não receber;

·         Função pública COM 2 MESES DE ORDENADOS EM ATRASO, na ressaca da mesa redonda, as pessoas vão acordar sem dinheiro no bolso, O POVO VAI CONTNAURÁ A BATER PALMAS DE BOLSO VAZIO? A conversa de que precisam de tempo já não convence;

·         Onde está o balanço dos 100 dias?

·         Alguém se lembra da remodelação prometida? As únicas que foram feitas, foi porque o presidente da república interveio ficando o país a ganhar com elas.

·         Nhú Morgado terá coragem de voltar para o seu partido, ou vai continuar colado ao PRS?

·         Clientelismo vai continuar?


Bô Djudano pensa, kê ku Nhú Morgado na bin kel é bias?



Congresso mundial di kumpós, kanssarés, kankurans, kassissas, fengatus, kús, pé-di-cabras, futcerus, póterus, mutrucis ku labrons?



Kila dja son ke falta.



REKADOS KE NÔ TEM PA KÔNTA:
O presidente JOVAM VAI CONVOCAR E PRESIDIR O CONSELHO DE MINISTROS SEMPRE QUE QUISER E ENTENDER, PORQUE A CONSTITUIÇÃO LHE DÁ ESSA PERROGATIVA.


Força PRESI JOMAV, não deixes o governo afeteré (tchuna baby) assaltar a Guiné-Bissau, o conselho de ministros até parece clube de fans do blog PN. Tarpaceros.
Nhú Matchú Morgado não resiste ao cifrões e descaradamente entra no negócio da madeira!

Negócio que já fez correr muita tinta na Guiné Bissau, ganha novo protagonista na grande área como ponta de lança imbativel  o nosso grande  Matchú Morgadu.

Ao aperceber- se dos Bilhões gerados no negócio da madeira Nhú Morgado não perde tempo e ataca de forma ferrôz e implacavél os muitos milhões de dolares que representam a estratégia por ele delineada e lançada para ganhar terreno e iluminar a concorrência neste negócio de bilhões.

Sem perder tempo resolve confiscar toda a madeira cortada e entrega- la, sem concurso público a um amigo de peito para exporta- la e assim repartirem os chorrôsos lucros que este negócio proporciona.

Não crendo perder esta oporunidade de ganhar bilhões, o nosso avançado centro Nhú Morgado desfere um remate a MATATEU arrasando a tudo e a todos pelo caminho, tornado- se assim ele, atravéz do seu amigo de peito no unico exportadôr de cerca de 5 mil contentôres de madeira preciosa (PAU CONTA), facturando 50 MIL MILHÕES de Francos cfas.

A ambição desmedida e talvêz influenciado pelos Bilhões da mesa redonda  Nhú Morgado não faz mais negóciozinhos de aluguer de camiões de 70 Milhões Mensais, isso deixa para o filhote brincar aos negócios.

Nhu Morgado, um conselho, não se atreva a confiscar esta madeira porque será o seu fim, isto porque esta madeira é 90 por cento da população guineense que face a miseravél vida que leva, encontrou esta segunda alternativa, depois da campanha de caju, de arranjar dinheiro para educar e preservar a saúde dos seus entes queridos, por isso armou- se de Norte ao Sul do País com moto serras.

Quem o avisa, seu amigo é NHU MORGADU, ao pretender confiscar 90 por cento da madeira do povo, provocará concerteza um levantamento popular jamais visto na Guiné Bissau e isso será o seu triste fim.

JOMAV deixará de ignorar a tudo e aí veremos na realidade quem é o BIG BOSS- JOMAV.

Apesar de me ter mandando prender de uma forma ilegal e abusiva, eu Doka internacional sou pela estabilidade do meu país e pela defesa do meu povo.

Cuidado, não se aventure qualquer maneira, poruque isto é mau e perigoso.
Recorde- se que foi o povo que o elegeu
Obrigado irmãos, hoje quem vos fala é o Doka Internacional.
Mais uma vêz muitissimo obrigado a todos pelo cordão de solidariedade que se envolveu com a minha detenção ilegal e abusiva.
Apenas vos peço que estejam atentos a conferência de imprensa que se vai realizar dentro destes dias.
Hoje apenas para vos reconfirmar..., com todo este acontecimento tornei-me num herói. Não pela minha vontade mas por algo que estaria previsto por DEUS.
Obrigado a todos e aguardem que vem coisa boa.
Abraço a todos.
Obrigado irmaos
O senhor que se segue

            Nhú Morgado

Quem será o próximo?
Mas afinal quem é o Nhú Morgado?
Nhu Morgado PROCURA- SE?
Caramba
Já vamos desvendar isto
"KASAMENTI DI DJIBA"

Gostaria de pedir, aqui, permissão ao nosso ilustre artista Justino Delgado, para dizer umas palavras, a partir da sua canção dos finais dos anos oitenta, sobre a minha "CASA". A tradução é livre. Não pretendo, por isso, contribuir para a sua viciação. É que o tema é inspirador e sempre actual! MULHER, quero dizer-te que esta casa está em teu nome; não esqueças que sou eu o teu marido; que és linda e eu confio em ti; que mulheres bonitas são sempre famosas e que as amizades masculinas são sempre chatas. É claro que os amigos do teu marido são teus cunhados, mas, muitas das vezes, nas nossas ausências, costumam tornar-se em donos de casa. Mas, se um dia, amor, viesses a cometer a infidelidade e eu descobrir, juro-te que só se nessa altura não pensasse em ti como dona da minha cama, porque naquele dia ou tu sais de casa ou saio eu de casa. Estas janelas, MULHER, e os trincos das portas são as vozes destes pobres filhos que assustas tanto para não contarem ao pai o que se passa na nossa casa. Sempre que vou ao trabalho, dás café; quando volto do trabalho estas a dormir a sesta; quando viajo em missão no estrangeiro, os meus amigos ficam a tomar conta de casa, da cama...

Oh MULHER, mataste-me!
Oh MULHER, degolaste-me!
Oh MULHER, mataste-me!
Oh MULHER, degolaste-me!

VIVA JUJU DELGADO!


domingo, 29 de março de 2015

HINO DA DÍVIDA

"MAMÃ GOIA" 

NBIN MITI MON DI TIMBA

SI NHA KA FIA NHA TA PUNTA 

PA NÔ DATA DI PAGAMENTI

NÔ KA TA DIBIDU

MAMA GOIA 

SI NHA KA FIA NHA TA PUNTA

NHA KOLEGA DI TARBADJU

NÔ KA TA DIBIDU

MAMA GOIA 

SI NHA KA FIA 

NTA NPINHA UN KUSA DI BALUR

TÉ ORA KU NPAGADU

NHA KUAN

AAAH MAMA KUA

BAFATORIOOO 

KA NHA MEDI NHA PUI

MON DI TIMBA KUSTA I DA KABU DI MI JUJU

MA NKA NA MEDI MITIL DÊ ...
"DISGRACIADO"

Rafael Barbosa, é herói nacional, mas infelizmente tem um neto mendigo e drogado  no Progresso Nacional salazatista que publica isto: 







"Camaradas, nna conta bôs, disgraciado ku bin pa dananu terra, pa I toma li..."
ABÍLIO BRAGANÇA NETO


O boca de aluguer. É este o advogado leviano que faz comentários à toa. É de origem são-tomense  e um dos comentadores baratos no "Debate Africano na RDP-África", ao domingo. No programa difundido na sexta-feira dia 27 e domingo dia  29 de Março, ao abordar o tema sobre "Mesa Redonda" em Bruxelas, ameaçou, acusou, injuriou, blasfemou  as nossas forças armadas, qualificando-as, inclusivamente de "djangos e cowboys". 

Não se sabe como é que um estrangeiro salazarista assumido ousa falar de instituições de países que não conhece e onde nunca residiu, de forma tão disparatada? 

O Abílio Neto, avaliando pelas suas reflexões, parece um homem traumatizado, invejoso, aventureiro e um zero à esquerda, que mal sabe da participação das nossas forças armadas na formação do exército são-tomense. São aspectos que não lhe interessam referir, visto que fala por encomenda. Foi o mesmo Abílio Neto que em tempos (2013), envolveu, nas suas constantes gincanas verbais, as forças armadas são-tomense, através de um dos seus sargentos (desconhecido) numa intentona golpista naquele país.  Este homem é perigoso, para não dizer terrorista, conheçam-no!


Lisboa, 28 mar (Lusa) - O Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou hoje em Lisboa à comunidade guineense em Portugal para que considere regressar ao país e ajudar na sua reconstrução.
"Eu vim cá precisamente para apelar-vos: comecem a pensar no vosso regresso. Os riscos que vocês assumem aqui em Portugal, devem aceitar corrê-los na vossa terra natal", declarou, num encontro com a diáspora guineense no Fórum Lisboa.
Depois de sublinhar que conhece bem os problemas dos emigrantes em Portugal, o chefe de Estado guineense acrescentou: "Não estou aqui para vos dar uma lição, estou aqui para ouvir conselhos e para vos dizer como vai a terra que vos viu nascer".
"A Guiné-Bissau é um país de oportunidades, porque nada está feito, está tudo por fazer - e 1,1 milhões de dólares é muito dinheiro", observou José Mário Vaz, referindo-se à ajuda financeira da comunidade internacional que fez questão de agradecer.
"Muito obrigado à comunidade internacional, que nunca virou costas à Guiné-Bissau, apesar de nós não termos sido muito corretos no seu uso: dinheiro dado para comprar copos foi gasto a comprar viaturas...", exemplificou, desencadeando o aplauso no auditório quase cheio.
Salientando que "agora, a bola está do lado da Guiné-Bissau", o Presidente classificou a atual situação do país como "uma oportunidade para os guineenses que estão em Portugal".
"Temos uma grande responsabilidade, meus concidadãos, e cada um tem de fazer o que sabe fazer: temos bons pedreiros, bons carpinteiros, bons eletricistas, bons empresários... Não pensem em ir para a Guiné-Bissau para serem ministros, secretários de Estado, funcionários públicos", advertiu.
"Devem regressar para concorrer com os demais para a concretização de projetos" que contribuam para "a construção do país", porque, acrescentou, se os guineenses não aproveitarem os recursos financeiros disponibilizados pela comunidade internacional "outros estão à espera".
José Mário Vaz explicou que "hoje, na Guiné-Bissau, o Estado é o maior empregador e não pode ser".
"O Estado não pode ser tudo, porque senão enfrenta problemas sérios; o Estado não pode criar riqueza e não pode criar emprego, isso cabe ao setor privado, e temos de ter a coragem de fazer essa reforma", defendeu.
Instando mais uma vez os seus concidadãos a regressar, neste seu primeiro encontro com a diáspora desde que foi eleito, em junho de 2014, o Presidente guineense fê-lo na forma de pedido.
"Eu vou pedir: temos de limpar essa mágoa, esse ódio que está no interior dos guineenses; devemos esquecer o passado e olhar para o futuro, para a construção do país", insistiu, recordando ser sua ambição "contribuir para a mudança radical da Guiné-Bissau", porque acredita que "o Presidente da República tem de ser o homem que está sempre à procura de consensos".


“Chegou o tempo de se dar um estrondoso murro na mesa contra a corrupção e o despotismo político"


Viva o Presidente da República José Mário Vaz!

sábado, 28 de março de 2015

"POMBOS EM LISBOA"

Queria falar-vos, hoje, dos pombos, porque já não se pode falar dos "pombos de Lisboa", mas sim "Lisboa dos pombos".  Quem conhece o Rossio sabe do que estou a referir-me. Nos dados da Câmara Municipal de Lisboa, de 2002, existiam um pombo por cada dois habitantes da capital portuguesa. Ou seja, a CML registou na altura cerca de 300 mil aves. E alimenta-os de forma a os habituar a milho com preservativo, com o intuito de controlar o seu crescimento. Mas, acontece que  os populares e alguns turistas, com gestos de simpatia e carinho gostam de os dar de comer de forma indisciplinada, o que tem causado algum descontrolo sanitário dos pombos e da cidade pela CML. 

Agora parece também que já existem pombos africanos em Lisboa. Eles se juntar às dezenas quando se lhes atira milho ou comida. Cadogo Jr., descobriu a sua existência e sempre que vinha a Lisboa passava pelo Rossio com o seu pacotinho de milho que atirava aos pombinhos. E enquanto estes debicavam e voavam à sua volta, o homem ficava todo vaidoso alçando o peito feito um herói.  Nhu Pó também quis imitá-lo, mas não parece ter sido bafejado com a mesma sorte. Ao regressar do "Santuário de Bruxelas", onde foi pedir "protecção", sonhava também com nuvens de pombos a esvoaçar à sua volta à chegada ao aeroporto de Portela. Mas, como não trazia pacotinho de milho para dar, só apareceram não mais de cinco pombos. Ficou todo amuado. Por isso, deu imediatamente ordens aos seus acólitos em Bissau, para que o fossem acolher à chegada ao aeroporto Osvaldo Vieira.  

Kurus-karas karesooo!
Governo DSP- NHU PÓ deve dois meses de salários


Depois da patética festa sobre o endividamento do País em 9 meses do governo do NHU PÓ em mais 1,5 bilhões de USD,  o NHU PÓ não  paga os salários aos funcionários do Estado.
Prefazem dois meses de atraso, (Fevereiro e Março) no pagamento de salários aos funcionários públicos, começou-se a pagar o mês de Fevereiro, só para inglês ver, aos pequenos ministérios e até hoje estão por pagar mais de 70% da massa salarial/mensal (3,4 bilhões Fcfa) correspondente ao mês de Fevereiro, nomeadamente, a defesa e segurança cerca de 1,4 bilhões de fcfa, a ANP, cerca de 400 milhões, e ainda a outros tantos ministérios. Relativamente ao mês de Março ainda não se pagou a ninguém e nem há dinheiro para o efeito, contudo o NHU PÓ já estendeu a mão pedindo esmola para o efeito, que vergonha, até quando JOMAV?
Um País não pode viver de esmolas para pagar os seus salários, DSP não tem arcaboiço para conduzir este País, acreditem que no dia em cessarem as ajudas, esmolas, ao OGE nunca mais será capaz de pagar um salário tal é o mamançu , as negociatas e a rebaldaria nas finanças  que o dinheiro não sobra para o pagamento de salários.

Balanço VERGONHOSO! 
Nove (9) meses de Governação =2 meses salários em atraso.

Grandes mudanças, grande governo era isto que os Guineenses queriam, já dizia um dirigente do PAIGC, “ninguim cá vota cu vela, sol na ardi ba nan riba”

sexta-feira, 27 de março de 2015

BISSAU: CONTINUA PERSEGUIÇÃO POLÍTICA 

Regista-se mais uma forte intenção de retaliação contra Doka Internacional, em Bissau. 

Mas Doka avisa e ordena a toda a sua equipa do blog para que assim continuem, firmes e serenos em termos de informação.  Mas acima de tudo muita atenção porque existem planos para o detônar.

Por outro lado Doka avisa a toda a sua equipa, amigos, familiares e leitôres assiduos de que uma pessoa quando entra nesta luta, nesta guerra, tem que estar preparado fisicamente, psicológicamente e espiritualmente para o que dêr e vier.

Sabemos que Doka continua puro e convicto nas suas atitudes, esta calmo e segue o conselho dos seus advogados e pessoas mais próximas.  Doka vai continuar lutando em defesa da verdade e dos direitos humanos.  Esta semana, uma conferencia de imprensa DETÔNANTE..., Bissau vai parar para ouvir a vôz dos sem vôzes.

A nossa equipa sabe que Doka neste momento não esta sózinho porque segundo ele está com DEUS, a sua FORTALEZA SEGURA e seu REFUGIO, por tanto nada pode temer.
Doka diz ainda que quem esta e vive na verdade, apresenta factos e quem se refugia na mentira tem tendências em desinformar.

Doka agradece a todos que se solidarizaram com ele, visto que hoje Doka é visto como um herói no seio dos guineenses e principalmente das familias que sofrem em silencio.

Gloria eterna para todos os que foram assassinados.

Noticias GALP GUINE-BISSAU.




Continuam os desgovernos deste administrador Jorge Almeida, desta vez foram apanhados alguns funcionarios desta empresa a desviar gasoleo pertencente a um cliente, convem frizar que o dito produto ja estava pago por alguem, e os larapios da petromar se apropriaram dele ludibriando o cliente, pratica muito frequente desta gente, ...., o mais caricato disto tudo e que o chefe da quadrilha e sobrinho do proprio CARLOS GOMES JR. , ladrao ja antes identificado e arredado dos "potes de mel", mas que foi trazido de volta pela Sra. Tia dele,;,claro que o resto da quadrilha esta enjaulada nos calaboucos da PJ, mas o chefe da quadrilha foi protejido pela tia e transferido como castigo....assim vale a pena ter tios GANGSTERS.
A BOLA AGORA ESTÁ DO NOSSO LADO

Quando você vai a um santuário depois tem que cumprir promessa, caso contrário, você sabe o que poderá acontecer contigo ou com os teus filhos, caso os tenha. Isso não está escrito em lado nenhum, mas a sentença existe e é inexorável. Por isso, não podemos ser mais os "desmancha prazer" como vinha acontecendo há mais de quatro décadas de ajuda externa ao nosso país. Basta de corrupção! Terá sido, pois, a razão da chamada de atenção do Presidente da República, José Mário Vaz, ao dizer que «Perante o que nós pedimos à comunidade internacional, ela foi além do limite. Significa uma grande responsabilidade para o nosso país», «Julgamos que a comunidade internacional fez aquilo que deveria ter feito e, agora, compete-nos a nós cumprirmos com a nossa parte, respeitarmos todos os compromissos que foram assumidos durante a mesa redonda de Bruxelas»

Mesa Redonda de verdade é "mão na lama" da nossa terra.

Viva o Presidente JOMAV
Promessas, e bolso vazio


Comunidade internacional promete à Guiné-Bissau 100 milhões de dólares por ano



A meta eram 1,8 mil milhões de dólares, para a década até 2025. O governo guineense regressa da conferência de doadores de Bruxelas com a promessa de 1,1 mil milhões de dólares, mais de 100 milhões de dólares por ano. Mas, para que as promessas se concretizem, terá de cumprir à risca as reformas com que se comprometeu.


Quando se anteviam dificuldades para alcançar os objectivos, num país que tem sido frequentemente esquecido pela comunidade internacional, as reacções gerais na quarta-feira foram de alívio, quando não de regozijo. Um dos portugueses com mais experiência no sistema ONU, Victor Ângelo, mostrou-se mais cauteloso.


“Os resultados preliminares são encorajadores. A porta para a reaproximação [da comunidade internacional a Bissau] foi aberta. O próximo passo é assegurar que os compromissos feitos por ambos os lados, o governo e os parceiros externos, sejam de facto cumpridos”, afirmou Ângelo, ex-representante especial do secretário geral da ONU para as operações de paz.

Muitas vezes, adiantou no seu blogue, estes compromissos “ficam por cumprir ou são implementados lentamente”, dando origem a um “jogo de passa-culpas”. “Esperamos que desta vez vejamos um andamento mais rápido”, adiantou Ângelo. Geraldo Martins, ministro das Finanças da Guiné-Bissau, havia assumido como objectivo para a conferência de doadores financiamento para 115 projectos, num total de 1,8 mil milhões de dólares, entre 2015 e 2025.


A União Europeia, anfitrião da reunião, prometeu 160 milhões de euros. O Serviço Europeu de Acção Externa defendeu que a mensagem saída da conferência é de que “a comunidade internacional está com a Guiné-Bissau". Para o Plano de Desenvolvimento das Nações Unidas, foi “um grande dia para a Guiné-Bissau”.


A falta de financiamento para a força regional destacada na Guiné-Bissau (ECOMIB) tem sido motivo de preocupação dos principais parceiros do país.


Nota: O povo na sua ignorância está a aplaudir, mas os bolsos estão vazios como antes da mesa redonda. O objectivo inicial (irrealista) foi completamente falhado. O que foi prometido também não será cumprido porque a Guiné-Bissau não aceitará ajoelhar e baixar as calças como eles querem. Os nossos militares também não se vão render como é evidente. O presidente JOMAV continuará a ser o guardião dos nossos recursos o que vai desagradar os abutres. Dinheiro só mesmo no papel, como nas anteriores mesas redondas.
BISSAU: CONTINUA PERSEGUIÇÃO POLÍTICA 

Regista-se mais uma forte intenção de retaliação contra Doka Internacional, em Bissau. 

Perguntamos aos guineenses, amigos da verdade e ao mundo, se Doka Internacional é conivente nos assassinatos de Tchico Té, Paulo Correia, Nino Vieira, Tagmé Na Waié, Baciro Dabó, Helder Proença, Roberto Cacheu, Yaia Dabó, Samba Djalo, entre muitos outros que, há muito, a Justiça guineense deveria esclarecer, mas que até hoje faz "orelhas moucas"? Porquê que o poder político actual na Guiné-Bissau não segue no encalço dos assassinos, narcotraficantes e corruptos que vagueiam impunemente pelas ruas de Bissau, mas sim ao Doka, o Denunciante que luta para que se faça justiça?

Afinal, a democracia e liberdade de expressão são termos utilizados apenas para atingir ao poder político? 

Já tínhamos avisado desde o primeiro minuto de que o caso do Doka não é judicial, mas sim de índole eminentemente político. É o regresso aos tempos da PIDE-DGS. 

Por isso, exortamos, mais uma vez, todas as pessoas de bem e de paz, as entidades nacionais e estrangeiras a tomarem diligencias no sentido de pôr cobro a esta perseguição política teimosa contra o Activista Doka Internacional em Bissau. 

Doka Internacional é apenas um blogger entre milhares, Activista dos Direitos Humanos e Denunciante. Estamos em democracia. Façam o vosso trabalho e deixem o rapaz livre e em paz.

Je suis Doka




quinta-feira, 26 de março de 2015

MAIS DE MIL MILHÕES DE CHANTAGENS?

Actualizado às 16:31

O rótulo da conferência de "Parceiros" em Bruxelas para a Guiné-Bissau é "Terra Ranka". Ranka nundê, na Bruxelas ki ranka? Son kafumban! Tudu, son na bô kabeça! O nome até parece de um foguetão ou veículo espacial que se desloca à alta velocidade em direcção a Marte. O que de facto, não corresponde  à verdade. Acontece que, no meu ponto de vista,  o encontro não foi mais que um exercício mercantilista e de arrematação dos recursos naturais, e não só, do nosso país. 

Ou seja, a Guiné-Bissau acabou de encaixar em Bruxelas pelos seus "Parceiros" mais de mil milhões de "promessas, esperanças e pressões (chantagens)" sobre os seus próprios filhos. Mais , um fardo para as gerações vindouras? 

Divida, já está! E os juros? A correr, sem parar. Mas, hoje, o comboio vai regressar tal como havia partido:  vazio! As "promessas" ficaram no nosso imaginário colectivo. Parece ser a única forma de nos sentirmos aliviados. Onde está a nossa liberdade de escolha? 

E como diz o ponto 13.º da Resolução: "(...) Os fundos dos parceiros podem dar um impulso, mas o crescimento económico e o desenvolvimento sustentável serão conduzidos sobretudo pelo apoio ao sector privado, particularmente através da criação de emprego, da construção de infra-estruturas e transporte, do acesso à energia, de um ambiente de negócios concorrencial e seguro, e de um acesso facilitado ao crédito". Isto significa que o Estado pode "tirar o cavalinho da chuva". E as "promessas" - sobretudo as que foram dadas pelos países europeus - poderão não sair mesmo dos bancos europeus. Como as melhores "ideias ou projectos" habitam ao mundo do que não é inteiro nem exprimível, esses "fundos" reverterão para as contas das suas empresas na Europa, sobretudo dos tugas, de onde nunca tinham saído antes.  E acções no terreno? Por cá, na nossa terra, vai ser só simulacros de construções. Haverá, sem dúvida, alguma empregabilidade em termos de mão-de-obra, mas realizações de fundo, com vigor histórico almejado pelo povo, esses só podem vir da nossa sub-região, dos EUA e do oriente. 

"Mais de mil milhões de promessas, esperanças e pressões (chantagem)", transformaram-se em mais uma oportunidade para que os ditos "Parceiros"  da Guiné-Bissau blasfemem às nossas forças de segurança e de defesa, chegando a ofender mesmo toda a nação guineense, ao insinuar, no parágrafo 15.º da referida resolução, que "A necessidade de consolidar tanto a democracia como o estado de direito exige a instauração de um controle civil efectivo e supervisão das forças de defesa e segurança." Sabemos, pois, que eles (os amigos da onça) não sossegarão enquanto não conseguirem "aniquilar e humilhar" às nossas forças de segurança e da defesa.

Nhu Pó tene kasa/karru nobu,
Ma vencimentu ka da pa kasa/karru nobu ô! 
Si nô diskuda Nhu Pó na bindi terra ô

Mesa redonda brincadeira de mau gosto


É preciso alguma explicação, para percebermos o que está a acontecer.

Depois de todo isto a Guiné-Bissau vir receber 1 milhão e meio de dólares até ao início de 2017? 

Quando vem o resto? Só depois de 2017?

Criou-se a ideia nas pessoas que o fim dos problemas é logo depois da mesa redonda.


Por favor, expliquem isto, a Guiné Bissau tem receitas nacionais superiores a esse valor se melhorarmos as cobranças e fiscalizações.

quarta-feira, 25 de março de 2015




Revelação da Equipa do PN Por Fases

Nos próximos dias vem o cadastro, e depois as fotos nos lugares certos.

CARO AMIGO DOKA

Realmente, esses maganos da Liga Guineense de Direitos Humanos, até parecem que não moram mais em Bissau. Ficaram tão caladinhos até parece que mudaram para Cabo Verde. A LGDH que farejava tudo, mas no teu caso, ela nem parece existir mais. É flagrante, o papel que está a fazer neste caso concreto! Simplesmente volatilizou-se! É uma questão de consciência, mano Doka. Não te esqueças de Gandhi quando diz que "(...) existem homens presos na rua e livres na prisão(...)". Há homens capturados pelos seus patrões que os comandam à distância. Não são livres! Mas, penso que a LGDH ainda está-se a vestir. Não creio que ela seja madrasta. E vai a tempo de se reagir ao teu caso. Aguardemos! 

Je suis Doka


A liga dos direitos humanos da Guiné Bissau virou as costas ao Doka Internacional.  Alias nunca esteve com o Doka e de uma forma triste e vegonhôsa mostraram o seu outro lado mau.

O vice desta instituição cometeu um erro grave numa entrevista ao dizer que nada sabia sobre a  detenção do Doka . 
TRETA...., tudo treta.

O presidente da Liga, neste caso LUIS VAZ MARTINS poderia ter tido uma outra conduta, uma outra postura como defensor dos direitos humanos, nao confundindo e misturando questoes pessoais com txukur txakar.
Recordar que Luis Vaz Martins é sobrinho de Cadogo jr. e que o Doka é contra Cadogo jr.

Na luta pela verdade, há que saber posicionar e ser realista.

Luís Vaz Martins espero uma posição digna por tua parte.

Guiné-Bissau Conferência em Bruxelas é "muito importante para futuro do país"

O Presidente da República da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, apelou hoje, em Bruxelas, ao "apoio indispensável" da comunidade internacional, garantindo que o país quer deixar de ser "um fardo" uma vez alcançado o processo de recuperação económica.

Ler mais no "Notícias ao Minuto"
OPINIÃO: Mesa Redonda dos Doadores
 da Guiné-Bissau, Bruxelas 2015


Governo guineense liderado pelo Eng.º Domingos Simões Pereira, como Primeiro-Ministro, projeta a realização de uma reunião com os parceiros econômicos e políticos da Guiné-Bissau, sobre o programa estratégico de desenvolvimento do país a curto, médio e longo prazo. O referido “meeting” ficou muito conhecido pela Mesa Redonda dos Doadores da Guiné-Bissau, de tanto que se fala dele. É sempre apresentada de forma maquiada ao povo, apresentando-a como uma grande oportunidade dado ao país por toda comunidade internacional, ou, uma grande conquista do governo junto da comunidade internacional. O que é totalmente farsante e demagogo. Até se fosse um modelo de traje, seria bem-sucedido na Guiné-Bissau, pois, já é uma moda bem famosa por lá, assim como no estrangeiro, por onde congrega os guineenses.

Também, discordo com o termo “doadores” usado na nomeação desse encontro (Mesa Redonda dos Doadores da Guiné-Bissau), o que facilita equivocar ainda mais a compreensão dos guineenses, pensando que todos os recursos financeiros que eventualmente irão ser angariados desse evento, será fruto de uma doação mesmo, ao pé da letra. Pelo menos, “mesa redonda dos credores ou parceiros políticos e econômicos da Guiné-Bissau”. Talvez não despista tanto assim a nossa compreensão para com essência do evento.

Segundo o responsável do governo, almeja-se arrecadar da mesa redonda agendada para dia 25 de Março de presente ano, em Bruxelas, capital da União Europeia, um montante de 2,25 bilhões de dólar (2,12 bilhões de euro), dividida em duas etapas, a curto e médio prazo, e em longo prazo, num período temporal estendida até 2020, face a materialização do plano estratégico de desenvolvimento concebido pelo governo. A primeira, a curto e médio prazo, denominado por “tera ranka”, orçada por 450 milhões de dólar (423 milhões de euro), visa execução de “grandes projetos estruturantes, num horizonte de 3,5 anos. A segunda, em longo prazo, denominado por “sol na iardi”, orçada por 1,8 bilhão de dólar (1,6 bilhão de euro), visando a materialização de “projetos de grande envergadura”, num horizonte até 2020. Infelizmente, desconheço detalhes, quais as atividades preestabelecidas prioritariamente pelo governo no seu programa estratégico de desenvolvimento, igualmente, quase todos os guineenses estão na mesma situação que eu, por falta da sua ampla difusão, o que deveria ser o contrário, pois, desse acarreta interesse de todos os guineenses. Por isso, dispenso qualquer comentário sobre o mesmo, ou melhor, estou impotente de o fazer.

Enfim, aproveitei para me desafogar das minhas impugnações sobre algumas questões tocantes a mesa redonda da Guiné-Bissau, mas, não são esses quesitos o propósito dessa minha exposição sobre a problemática da mesa redonda, contudo, acho não demais apresentá-las.

Relativamente a realização da mesa redonda, tenho lido e ouvido muitos comentários dos guineenses, dentre os quais, alguns denotam tendências propositadas em subestimar todas as vantagens desse evento, tentando vigorosamente apresentá-las por negativo. Atitude que considero inconcebível, atendendo que, devemos saber desconjuntar bem das pessoas dos dirigentes políticos, os aspetos de âmbito nacional, que envolve interesse do país, consequentemente, dos guineenses. Assim igualmente, os responsáveis políticos do país, que deixem de se tentarem apropriar dos privilégios e famas dos sucessos governamentais imanentes de todos guineenses aos seus benefícios e arrogâncias pessoais. Precisa-se de muita humildade e responsabilidade, pois, tudo o que precisamos nessa altura, não nada mais que uma reconciliação verdadeira, para tecer todos os fragmentos que compõem a nossa “bambaram”, numa só convivência em torno da “guinendade”.

Tem posicionamentos, com todo respeito aos seus autores, que com tanta determinação para criticarem ao governo pela iniciativa da mesa redonda, até tentaram conceituar as suas concepções como se fosse teoria econômica de desenvolvimento, bancando-lhes de “papas” da economia e analistas financeiras, desorientando os contextos e conceitos, na tentativa de sustentarem as suas teses faláciosas, que se pretendem apresentar como teorias. Fato que me deixou muito perplexo, sabendo que nunca existe tais teorias no campo da ciência econômica. Tanto que, uma das argumentações que refuta a economia como ciência natural ou prática, é fato que ela quase indispõe de teorias, cientificamente considerando. Foi por isso, que decidi a produção dessa apresentação, admitindo que o povo guineense merece ser colocado a par das situações coerentes e verídicas, com os fatos comprovados mesmo cientificamente.

Pelo menos, desde os clássicos econômicos, foi apostolado que é impossível a qualquer nação (país) ter auto dependência para com a sua economia. Parafraseando Adam Smith, nenhum país é capaz de se garantir o seu auto dependência, por isso, é imprescindível as trocas dos recursos entre os países, conforme as suas vantagens comparadas. E, esses recursos se incluem os financeiros, o que a Guiné-Bissau está em desvantagem comparada, por isso o governo almeja obtê-los com reunião dos seus parceiros políticos e econômicos na mesa redonda.

Constata-se as alegações que a mesa redonda deveria ser realizada num dos países, pertencentes as economias emergentes, principalmente a china, para ter melhor êxito. É obvio que, o quadro econômico dos países emergentes garantem mais estabilidade perante o atual momento de crise que assola economia internacional, por terem nas suas contas externas altas quantidades de dólares.


Também, os créditos a partir dos BRICS são muito mais baratos, ou, quase é de zero custo (juros), a esse propósito, não só com os BRICS e parceiros ocidentais ou centrais, igualmente, com os parceiros africanos, a Guiné-Bissau precisa-se estreitar mais os seus laços cooperativos. E, dada à política atualmente adotada na zona euro visando incrementar aquecimento da sua economia, permite-lhe oferecer financiamentos com mais baixos custos efetivos, pelo que, é totalmente encorajador contrair financiamentos com Banco Central Europeu.
As reservas internacionais são depósitos em moeda estrangeira dos bancos centrais e autoridades monetárias, ou seja, são ativos dos bancos centrais que são mantidos em diferentes reservas, como o dólar americano, ou euro, e que são utilizados no cumprimento dos seus compromissos financeiros, como a emissão de moeda, e para garantir as diversas reservas bancárias mantidas num banco central por governos ou instituições financeiras.

Entretanto, dispor de grande quantidade de reservas internacionais, não implica que o país está arbitrariamente habilitado por qualquer investimento ou financiamento que lhe apetece. No caso dos países emergentes deve-se considerar a conjuntura internacional. Recuperação da economia norte americana e a política monetária restritiva que está sendo adotada pelo “Federal Reserve” (FED) (Reserva Federal, Banco Central dos E.U.A.), por um lado, e do outro, o inverso, por Euro Banco (Zona Euro), esses fatos, principalmente, obriga todo mundo quase em se conter mais ainda os seus gastos, pela valorização cada vez mais de dólar americano. Porque, pelos vistos, agregando a situação de queda de preço de petróleo e recessão da economia europeia, a tendência é de continuar nessa conjuntura por uns tempos o percurso da economia internacional. Portanto, é óbvio que nem as economias emergentes estarão tranquilamente de aumentar os seus gastos, principalmente no exterior. Já se verifica a queda das reservas das economias emergentes, a Rússia decidiu-se reduzir os seus gastos internamente, e Brasil está se deparando com dificuldades no pagamento das suas dividas externa.

Foi manifestado as preocupações sobre o futuro e aplicabilidade dos eventuais recursos angariados da mesa redonda, considerando a situação de extrema corrupção dos nossos responsáveis governamentais e da impunidade. Lógico, mas, não precisamos adiantar em especulações presumidas, precipitadamente. Pois, cada caso é um caso, alias, cada tempo com a sua história. Pelo que, é convém darmos beneficio de dúvida ao governo sobre o futuro dos possíveis recursos que vão arrecadar e fiarmos rigorosamente.

Ainda, essa preocupação somente pode ser resolvida com funcionamento eficiente do setor da justiça, que deveria ser capaz de julgar e punir devidamente todos os indiciados e condenados infratores de qualquer conduta normalizada. Por isso é que sempre destaco a urgência da reforma no setor judiciário e na administração pública, e não nas forças armadas como muitas vezes, ou quase sempre, é defendida. São vários os meus motivos, porém, gostaria de destacar aqui um, que considero muito básico e fundamental, que é a questão de primeiro projetarmos um modelo determinado das forças armadas que pretendemos, ou que achamos melhor para o país, para posterior partirmos para sua materialização, que é a dispensa dos atuais efetivos que se enquadram no referido modelo, e recrutarmos os novos efetivos que adequam ao nosso modelo. Isso, porque a reforma, é uma ação sobre algo visando voltar a forma, ou refazer, modificar, emendar, corrigir algo. Comprova a existência sempre de um paradigma ou modelo referencial para qualquer processo de reforma. Mas na Guiné-Bissau, só se fala de uma força armada republicana não revolucionaria, e sem algum projeto definida e tecnicamente estruturado. A que se deve?

A crise financeira na zona euro, não implica a falta de recursos financeiros no mundo, e sim uma situação não muito encorajadora de qualquer tipo de gasto ou investimentos, perante isso, pondera-se bastante sobre risco, rentabilidade e retorno de capital a investir. Os Parceiros Econômicos da Guiné-Bissau, não encaram a crise financeira em si como risco para apoiarem o Programa Estratégico de Desenvolvimento que o Governo da Guiné-Bissau vai apresentar em Bruxelas, no próximo dia 25 de Março. Até que, em termos de recursos ou riquezas, o ocidente ou as economias centrais continuam a frente em todo mundo, contendo a maioria dos recursos do planeta.

E, a Guiné-Bissau, há tempos tem vindo a ser qualificado de enormes riscos de investimento, pelos parceiros econômicos, pela situação histórica de corrupção e de instabilidade político constante, por não ter esgotado normalmente alguma legislatura, desde implantação de sistema democrático. Esses fatos constituirão grande desafio ao governo para convencer os parceiros econômicos do país, que tomarão parte na reunião de Bruxelas.

A Guiné-Bissau constitui uma nova oportunidade de negócios para os seus parceiros. Por oferecer grandes oportunidades de investimentos, algumas até singular, como é o caso de areias pesadas de Varela, isso, desde que garantidas um bom clima de estabilidade social, política e eficiência de funcionalidade de justiça, sendo um Estado de Direito (sublinho de novo, por isso é urgente a reforma do setor de justiça, ao invés de setor da defesa).


É óbvio que a conjuntura económica internacional, não é de nada favorável para com a nossa situação, mas, cabe ao governo usar todos os recursos legais a se dispõe para angariar os recursos, face às despesas necessárias. Portanto, desejo toda sorte a equipa governamental em Bruxelas.

Viva Guiné-Bissau,
Viva Unidade Nacional,

Un dia no kabas na sabi, nona kume toku no limbi mon.”


Florianópolis, SC, Brasil, 22/03/2015

Nataniel Sanhá