OGIVA NUCLEAR

domingo, 31 de agosto de 2014

PARA HELENA N. EMBALO

A senhorita “cheia de não-me-toques e nove horas”, que nunca questionou a morte misteriosa do seu marido, Dr. Aguinaldo Embalo, ex-Diretor Nacional de BCAO, no dia 24 de Março de 2008, na praia de Varela - na presença da sua esposa e amigos chegados. Como dizia, a senhorita, cheia de etiquetas, tem estado também a atuar a mando de Cadogo Jr.. À socapa, tenta apagar as peugadas de Carlitos. 
O Carlitos era “amigo do amigo”, uma espécie de padrinho a espanhola. Quando o falecido viajava, era em sua casa que Carlitos passava a sesta. A senhorita de pernas em x, doutora de nariz empinado, que não desce do salto alto, aproveitou o calor eleitoral para retirar o processo-crime do “desvio de 12 milhões de dólares” contra o ex-Primeiro-ministro, Cadogo Jr.. 
Ela pensa que pode substituir o Estado, o poder jurídico ou inverter a história. Apenas lhe digo que uma das obrigações políticas do Estado é proteger o Direito, a Verdade e a História. Por isso, a Ação é um poder jurídico autónomo e abstrato.   
Anónimo
Um recado ou uma mensagem para o Tenente Coronel Zé Sanhá e para o seu filho, que foi e que está minha procura:
" Não percam o vosso precioso tempo de merda a minha procura em Bissau, porque eu Doka já estou em Inglaterra desde o dia 19 de Julho do corrente ano..., e no dia que chegar a Bissau, acreditem que ninguém vos irá dizer nada, serei eu Doka a vos comunicar ".

Eu sou uma pessoa fácil de localizar durante o dia. Porque a noite, é a mesma coisa que procurar uma agulha no palheiro.
Bandidos.
Eu também tenho a vossa mentalidade quando quero.

Neste momento estou tentando provocar uma situação em que quero e desejo deixar marcas e rastos no bom sentido contra estes animais.
Dando o exemplo de um bom filho e de um injustiçado..., de que o olho por olho e dente por dente, também funciona num outro lado.
Porque agora o filho anda a fomentar que o seu pai, o Tenente Coronel Zé Sanhá nunca matou a ninguém e que ele é inocente porque apenas recebia ordens.    Ahhhh, recebia ordens? Confirma- se o que falei então...................................................... que matou?

Então neste aspecto o filho se contráriou a si mesmo.
Porque existe um provérbio:
TANTO LADRÃO, O QUE VAI A HORTA E O QUE FICA A PORTA.

Eu Doka, mantenho- me firme no que falei e não retiro nenhuma virgúla.
Teu pai é um Bandido, um assássino.
Vamos em frente e vejamos como será o desfecho.
Da forma como me deixaste a mensagem, te respondo, nem FISICAMENTE quanto mais nos TRIBUNAIS.

Eu acabo com a tua raça, inclúsive com a do teu pai.
ANIMAL.

sábado, 30 de agosto de 2014

Dr. Gabriel, que a sua alma descanse em paz.
Os meus mais profundos pesames a familia enlutada.

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

ADIATU CHE GUEVARA NANDIGNA


A senhora de boinas negras a Che Guevara, de dois maridos, que subia no palanque para injuriar as nossas forças armada, está de novo em ação política. 

Há poucos dias atràs escondia com o rabo entre as pernas parecia cadela. Há dias encontrou-se em Portugal com o seu amante Cadogo Jr., e viajaram juntos ruma a Cabo Verde. Para quê? So intriga contra Domingos Simões Pereira. Porquê? Porque Cadogo Jr., e JOMAV continuam renitentes em relação a certas figuras nomeadas ministro. 

Por incrível que parece nunca puseram em causa o lugar de Botché Candé. O Presidente José Mário Vaz, não quer Maruca nos Negócios Estrangeiros, pois no lugar deste queria Baciro Djá. Na Defesa queria Marciano Silva Barbeiro, Domingos recusou-lhe.

Não queria Geraldo Martins nas Finanças, nem o seu Secretário de Estado (do Tesouro), o Bifa. Era contra Cipriano Cassamá no lugar de Presidente da Assembleia Nacional. Queria esse lugar para o seu apoiante Bá Kekutó. Sabe-se que o apoio de Bá Kekuto e de Adiatu a José Mário Vaz foi por indicação de Cadogo Jr..

Atenção: José Mário Vaz e Adiatu Che Guevara Nandigna si bo brinka no na detona bôs!
O chefe de Estado Maior, o CEMGFA António Indjai, que tome cuidado, mas bastante cuidado, pois Adiato Nandigna, teve um encontro com Cadogo Jr. em Lisboa e de lá partiram para Cabo Verde.  Cadogo continua movimentando as suas peças.
A coisa ainda está para vir, e a todo o custo quer e deseja a queda de Domingos S Pereira.
E para isso acontecer, é preciso um conflito entre Domingos e Jomav.
Mas o conflito já deu inicio, porque conseguiram trazer a tôna, a situação dos geraddôres envolvendo o actual Ministro dos Negócios estrangeiros- Marukas......,, nesse posto, o Jomav nunca quis o Marukas...., , preferiu sempre o Baciro Djá.
Tendo ou pôndo Marukas nesta situação, obrigaria o mesmo a pedir demissão ou a ser exônerado.
Mas pelos vistos, a coisa não saiu como esperavam, pois Marukas mostra- se tranquilo, inocente e com provas de algo.
Domingos S Pereira é o chefe do governo eleito, deixem o homem trabalhar.    Porque até tem estado bem no essencial, para além da nomeação de Botché Candé.
Deixem o homem trabalhar.
Cadogo jr. continua dando cartas de longe, e qualquer das formas está tentando baralhar as coisas e acreditem, Domingos S Pereira está na corda bamba e Cadogo jr. sente- se traído, Jomav quer e deseja a queda de Domingos.
Cadogo Jr. continua nas suas, dando ordens
Guineenses, a politica é algo suja, nojenta e porca. Muitos se esquecem perdem o seu valor.
A história que se segue, é uma autèntica confusão, cinismo, inveja, uma luta sem necessidade para tal..., e nisto tudo se encontram metidos:
Jomav- Domingos S Pereira- Cipriano Cassáma- Bá Kekuto- Cadogo jr.- Adiato Nandigna..., maruka, etc e por aí fora.
Não percam este sabádo 30 de Agosto uma história macabra, a luta pelo poder.
Mas Domingos S. Pereira que tome cautela e cuidado
"SETEMBRO VITORIOSO"...

Ironia ou embuste? O sinónimo de "vitorioso" é "bem sucedido" "triunfador", "triunfante", "vencedor", "glorioso", "invicto", etc. Pois, é caso para perguntar se os militantes do PAIGC se olham ao espelho? Tanta intrujice para quê? 

Ah, é preciso separar o trigo do joio. Sempre houve duas correntes no PAIGC: a dos que enfrentaram o inimigo na frente fogo e a dos chamados "bunda-frescos" (ociosos, cobardes e intriguistas). Sem citar as alas que recentemente se cristalizaram. Ora, se na luta de libertação prevaleciam "homens virtuosos e valentes", já na independência, esses conceitos desvirtuaram-se. 

O protagonismo passou para as mãos dos intriguistas e oportunistas. Pois, ainda no tempo da luta - recorda-se – os pervertidos apontavam dedo aos seus "camaradas" que acusavam de feitiço. Comportamento que podia por em causa a própria luta se não fosse a intervenção oportuna de Cabral no célebre Congresso de Cassacá. 

Com a morte do líder, tudo se afrouxou. Com a independência, o "virus" ressurgiu, reproduziu e alastrou-se, assustadoramente, corroendo o país inteiro com a atoarda do "tribalismo". Virou moda: tudo que se mexe contra o PAIGC é tribalismo, etnias, etc.. Como dizia, logo no princípio, os oportunistas e lacaios infiltrados no partido de Cabral encarregaram-se de deitar o seu legado no capim. Começou a balbúrdia, "cada um por si e Deus por todos"! E apenas o repescavam Cabral para intrujar ao mundo.

Passados 40 anos da (des)governação do país, o PAIGC confundindo o partido com o Governo, decide comemorar "Setembro Vitorioso". Por que feito patriótico, assassinatos? 

Dizem eles: "o partido no governo na Guiné-Bissau" vai comemorar o 41º ano da transladação dos restos mortais de Amílcar Cabral, morto em Conacri para Bissau, 90º aniversário de nascimento do histórico dirigente guineense (12 de setembro), 40 anos da fundação da Juventude Amílcar Cabral (JAAC, organização juvenil do partido) e 58º aniversário da criação do próprio partido (19 de Setembro). 

Então, pergunto: quantos 40.º anos serão necessários para investigar, clarificar, comemorar, transladar as mortes e os restos mortais de Nino Vieira, Tagme Na Waié, Helder Proença, Baciro Dabó, entre outro? O PAIGC, de hoje, é como o "homem" que vai à floresta buscar uma "medula" que cresce no centro das árvores e, ao invés disso, volta vaidoso e orgulhoso com um fardo de galhos e folhas. Recebeu o país das mãos dos tugas e destruiu-o, assassinou os seus próprios irmãos, e ainda trilha sobre os seus túmulos e a exaltar "Setembro Vitorioso".
Doka - minino de ouro!

Sua coragem impressiona, mas quando se trata de um mundo muito obscuro, onde as amostras desta obscuridade estão patentes aos olhos de cidadãos e com registros na mente de muitos cidadãos guineenses, então você sozinho não vai vencer os malfeitores. 

Veja quantos guineenses estão no estrangeiro, muito deles muito capacitados, porém não regressam porque ainda não chegou a hora.  A hora em que a DEMOCRACIA perseverará, hora em que os cidadãos estarão livres para expressar sua opinião e contrariar as opiniões dos outros, sem no entanto sofrerem  punição, perseguição, ou algo mais absurdo. 

Você é um jovem muito inteligente, algo que podia ser muito bem aproveitado dentro de uma sociedade de mente aberta.

Mas, quando os “PORÉNS” não são discutidos abertamente em uma sociedade ainda a construir-se, a construir-se porque o primeiro legado para superar a fase de obscuridade está ligado ao IDH, que no nosso caso está muito abaixo do desejado e por isso não ajuda na resolução dos problemas básicos. 

Questionar um problema que não foi resolvido em outra época por alguma razão, não deve constituir crime ou motivo para perseguição. 

Sustenta o velho ditado – QUEM NÃO DEVE NÃO TEME! Quando se levanta um problema, sem dúvida existem órgãos competentes para estudar o problema a fundo, trazer soluções que dele se requer para esclarecer a opinião pública. 

Não é com ameaça que se resolve um problema, pelo contrário, se cria outro problema. De um tempo para cá, na nossa sociedade abriu-se feridas muito profundas que vem desde os tempos dos ex-soldados portugueses assassinados sem serem levados à justiça no regime do ex-presidente Luís Cabral.  

Em seguida veio o regime de Nino, declarado como figura que ia unir os guineenses, pois, as valas abertas  onde estavam sepultados os mortos demonstravam o quão cruel foi o regime de Luís Cabral. 

O Conselho da Revolução dirigido por ele se comoveu e aos gritos pronunciou que as matanças não iam jamais acontecer na Guiné.  O tempo passou e a história se repetiu em várias fases. 

Portanto, meu caro Doka, dê tempo ao tempo, pois, a história se escreve associando figuras e personalidades no seu tempo, nada é deletado da mente do povo, o povo registra e na hora certa colabora para descrever histórias. 

Um exemplo é a Segunda Guerra Mundial – muitas histórias que nos são revelados nos dias de hoje certamente surpreenderiam os membros da GESTAPO se estivessem em vida.  

Caro Doka, termino aqui expressando minha opinião e suplicando a você para que não bata de frente. Suas duas crianças exibidas no seu Blog são provas vivas de quanto tu amas a tua família. 

Valorize suas conquistas e colabore quando possível para mudar o pensamento de algumas pessoas dentro da nossa sociedade – tarefa extremamente complexa, porém, vale a pena persistir, acredite. O avanço da sociedade moderna não foi alcançado com pouco esforço, mas sim com muito esforço. 

A consciência dos cidadãos da Inglaterra e a revelação de constituírem uma sociedade moderna, portanto, desses cidadãos do país onde vives , é um orgulho para qualquer cidadão que está de passagem ou vive nesse país. 

Você já expôs no seu Blog sua revolta por muito coisa que não funciona adequadamente no nosso país, mas tudo isso tem haver com figuras que são escolhidas para dirigir este ou aquele órgão do governo. 

Breve teremos os 100 dias para avaliar o NOVO EXECUTIVO GUINEENSE. O QUE FEZ? COMO FEZ? POR QUE NÃO FEZ? E OS ARGUMENTOS.   
Por hoje é so isso. Desejo tudo de bom para você, Doka!

Um abraço.

Obs:
Obrigado meu caro amigo e irmão.  Sei quem és e esta não é a primeira vêz que me aconselhas e orientas.
A dificuldade, é saber que bandidos ainda se achem inocentes ao ponto de exigirem e ameaçar aos que sofrem. E eu Doka nunca vou entrar nessa baboseira de ter medo deste ou daquele.

Eu não sou uma pessoa que provoca as situações, mas sim uma pessoa bem preparada para qualquer tipo de confronto desde que não haja maneira como evita- la.

E neste caso, quando se ameaça depois do que fizeram, a resposta apenas pode ser uma:  Olho por olho, dente por dente.

Como dissestes, a minha luta e a minha conquista, são os meus filhos..., frutos daquilo que um dia me tiraram, e é por eles que eu luto por uma Guiné Bissau, livre, unida e verdadeira.
Só isso..., mas uma coisa é certa:
Na guiné Bissau nunca se aproveita o que é bom...., mas sim, aproveita- se aquele lixo que nem se quer dá para fazer reciclagem.  Neste caso este homem, Tenente Coronel Zé Sanhá-

Obrigado irmão.
Maldito seja o Tenente Coronel do Ministério do Interior Zé Sanhá.
Continua vivo e maltratando pessoas.
O seu filho teve ousadia de ir a minha procura.

Este homem, é e continua sendo um dos princiapais cerebros de matanças do paigc.
Tenente Coronel Zé Sanhá é um animal, um filha da puta.
Prepara o nosso o encontro, porque tenho a certeza que alguém vai ser humilhado..., e eu Doka grito em vôz alta, de que não serei eu.

O sr. é um animal sem noção, um filha da puta que se refugia na patente que tem e na arma que usa.  O sr. é um covarde.
Matou, e existem testemunhas e eu tenho provas que sairam dentro do Ministério de Interior.

Documentos ultra secretos com assinaturas e carimbo.
Tenho todo o seu depoimento ......., depoimento esse que você deu logo a seguir ao fuzilamento do meu pai.

Seu filha da puta, estou escrevendo isto, para lhe desafiar, a ver se voçê ou o seu filho terão a coragem de ir a minha procura de novo.

Assássino, mentiroso, cabrão, covarde......................, você sem essa arma, não é ninguém..., e com essa mesma arma, eu Doka em legitima defesa jamais pensarei duas vezes em acabar com a sua vida e com a sua raça.
Recebi o recado, a mensagem.
A minha vive nas próximidades de Safim.

" O CÃO QUE LADRA NÃO MORDE ", 

Ao invêz de estar a ladrar, actúe..., eu desafiei- lhe Bissau públicamente, chamei o seu nome sem rodeios, e você naquela altura meteu a merda do seu rabo entre as pernas e incentivou pessoas para que me fossem prender e espancar............, e eu na altura certa e no local certo, mandei- lhe um recado, de que ninguém estaria na posição ou na altura de me prender quanto mais me espancar

O que voçê e a sua equipa fizeram ao meu pai e a muitos outros, jamais poderia...., mas em hipótese alguma acontecer comigo......, porque eu sou protegido pelas almas e espiritos dos injustiçados com a benção de DEUS acima de tudo.

O meu cadavér jamais será enterrado sem o conhecimento dos meus familiares.

Acredite que não falo de boca para fora, em legitima defesa, eu Doka acabo com a sua vida e com a sua raça.  Basta apenas que me dê uma chance para tal, dê o primeiro passo..., porque digo- lhe claramente que tenho tendências suicidas.

Ninguém nasceu com o instinto animal ou de assássino...., o ser humano adapta- se consoante o seu habitat.

Desafie- me seu filha da Puta, estou lhe dando um pretexto para que me mande prender, ou me mande matar se eu chegar a guiné bissau seja lá quando fôr.

Ah, voçês podem matar, e nós familiares das vitimas não podesmos expressar o nosso sofrimento?
E quando expressamos de uma forma civilizada, como eu expressei, sou ameaçado e recebo recados?

Ok, agora insultei- lhe,  Estou ciente que isto é um crime e pesado.
Abra uma queixa contra mim se quiser.
Porque é o máximo que pode fazer...., porque outra coisa está fora de questão.
Compre a qualquer juíz, o que acho que irá ser dificil, porque eles teem caracter.

Bandido, macaco, filho da Puta..., diga ou mande o seu filho na minha direcção de novo.

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Não há nada que venha de fora que possa entrar e contaminar ao homem.
O que contamina ao homem, é aquilo que vem de dentro e sai para fora, isso sim contamina ao seu próximo.
Portanto esta campanha que o paigc, ou governo do paigc esta fazendo, acho que esta errada.
A melhor campanha seria, auto purificarem-se e fazer uma limpeza total, geral e interna a nivél daquela instituição (PAIGC).
Porque ali sim, estão muitas pessoas contaminadas, sujas de coração e de maldade..., ali sim, o paigc precisa de limpeza.
Porque a sujidade em termos de criminalidades e de violação dos direitos humanos, isso ultrapassa a qualquer sujidade nas nossas ruas ou doenças que possam existir.
O paigc, enquanto continuarem nesse caminho, serão sempre piores que qualquer sujidade e doença.
Pensem.

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

"LIMPEZA E DESINFECÇÃO"...


Podemos afirmar que a "Campanha Nacional de Limpeza e Desinfecção" arrancou no país. Mas o início oficial começa no dia 30 de Agosto, pelas 17:30 horas. Diz-se com a entoação simultânea do hino nacional em todas as localidades. Será que é nesse dia que vamos saber se Botche Candé sabe cantar o hino nacional?

A Comissão de Trabalho será presidida pela ministra da Saúde, Valentina Mendes. Integram a referida comissão mais sete membros do Governo e órgãos da soberania, nomeadamente o Presidente da República, o Presidente da Assembleia Nacional Popular (ANP), o Primeiro-ministro, o Presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) e de Contas, bem como todas as franjas da sociedade guineense, no sentido de se envolverem nesta campanha. 

O bom exemplo começa no topo, por isso é justo que assim seja. O momento até é comparável com a vida em família. Há momentos em que os "filhos" sentem uma certa confusão e desorientação. Necessitam de um apoio firme e seguro. É isso que procuram no seu "pai": um modelo com o qual possam identificar-se. Se o "pai" está ausente, outros modelos virão ocupar esse vazio, com grande probabilidade de não serem modelos propriamente exemplares. Portanto, não sou desconfiado, nem rebelde e muito menos desmancha-prazer, mas pegarei na vassoura se o Primeiro-ministro, Domingos Simões Pereira, o fizer.

"Limpeza e desinfecção começa nos nossos espíritos". Bom trabalho!
O ALY SILVA escreveu isto, mas acho que não se deu de conta do que escrevia ou do que fazia.

Caros amigos,  Estou a ficar farto de editar o blog. Não tenho paz, estou doente, sou roubado, estou longe da minha terra. Em suma: estou cansado para fazer com que terceiros percebam que este blog é isso mesmo: eu! Não me vergo, ainda que com uma arma apontada à cabeça!!! António Aly silva

Uma pessoa que não se verga, ainda com uma arma apontada à cabeça, mas tendêncioso? Que muda de postura e se vende por uma ninharia de dinheiro?
Afinal do que estamos aqui a falar?

Estás longe da tua terra?
Algum dia Satánas te disse que o mal triunfaria sobre o bem?

Mô...., nhôsss sa ta dá pá dodu!!!!
Nhô xinta lá..., modi ki midjor kuza ki nhôs ta fazê.
Pamódi ki li na Guiné..., munti di djenti sta perau.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

O caso Nuno Gomes Nabiam em que eu Doka ataquei ao Dr. Juliano Fernandes, teve uma repercussão no sentido directo da coisa.

Recebi e- mails mensagens e telefonemas para que parasse o ataque contra a pessoa do Dr. Juliano, visto que estava a 3ª parte na eminência de ser públicado.

Mas uma das pessoas que me criticaram de uma forma constructiva, e me pediram que parasse e pusesse travão, foram o HUMARO DJAU nos Estados Unidos e o Luís Abibe em Canáda.

Ambos me telefonaram em horas diferentes, e me pediram.
Eu Doka por respeito e consideração ao Umaro Djau e ao Luis Abibe, desisti de tudo, porque esta minha luta iria muito longe. Enfim.

Umaro e Luís Abibe, por respeito e por consideração que por vocês tenho, acreditem, jamais voltarei a tocar nesse assunto.

Um grande obrigado, porque um verdadeiro amigo, critica de frente, aconselha e protege. E isso foi o que voces fizeram.

Obrigado.
Doka
video
Atenção:
Vendo isto é a mesma coisa que estarmos a ver o PAIGC, um partido violento e maldito a devorarem- se um ao outro.
Não há nada que tirar.
AMNISTIA AOS “GOLPISTAS”…

O presidente da Assembleia Nacional Popular, O senhor Cipriano Cassamá, parece desconhecer os limites da missão para que foi conferido. 
Tem estado a delirar muito por aí. Pretensioso, fala, parece ele é que é a Lei. No dia 24 de Agosto à margem de uma cerimónia de homenagem da Comissão Política do PAIGC, em Biombo, decretou já, como se não houvesse mais deputados pensando diferente dele. Disse: 
«Se é preciso dar amnistia no país, vamos sair às ruas e, em todas as tabancas, explicar à população guineense o porquê da amnistia, mas vamos dar amnistia para ser a última a ser dada na Guiné-Bissau» Depois acrescentou: “doravante a Constituição da República irá dispor de alíneas que determinem que os «golpistas» nunca mais serão amnistiados”
Ai, isso é assim? Este homem ainda não tirou a lição da história recente? Porquê que não se legisla para acabar com a “corrupção” e a “má governação” no país? 
Serei golpista e, inclusivamente, bombista, todos os dias, de dia e de noites, enquanto os nossos políticos não mudarem o estilo da governação na nossa terra. Sobretudo, enquanto na nossa terra, os quartéis, hospitais, escolas, tribunais, etc., continuarem com a qualificação de espelunca e os seus agentes a serem tratados numa categoria abaixo de cão, não haverá clemencia para os políticos. 
Porquê que nhu Cipriano Cassamá nunca pede justiça pelos assassinatos dos seus camaradas de trincheira, o deputado Helder Proença, Roberto Cacheu, Baciro Dabó, para não citar a morte de Nino Vieira e Tagme Na Waie? Tem medo de quê?
Informações sobre pescas
A credibilidade dos vossos Blogues faz-nos recorrê-lo para passar as informações e por vezes manifestar os nossos descontentamentos com assuntos ligados ao nosso país. Muitos fazem-no sem qualquer espírito de maldade, outros aproveitam para tentar atingir certas pessoas. Um dos casos que gostaria de ajudar a esclarecer, são estas informações postas a circular sobre os equipamentos pertencentes ao Ministério das Pescas durante o Governo de Transição. Não sou parte interessada no processo, mas conheço a história e não devo permitir que te induzam em erro ou que atinjam o ministro. Repito: conheço a história e sem querer fazer a defesa do ministro, deixo-as a tua consideração.

Nos últimos dias, o País tem sido dominado por um conjunto de informações ligadas ao ex-ministro das Pescas do Governo de Transição, Mário Lopes da Rosa, actualmente nas funções de ministro dos Negócios Estrangeiros. Essas mesmas informações apontam para um suposto desvio de gerador e equipamentos destinados a instalação da fábrica de gelo em Ondame. Perante a gravidade das acusações que recaem sobre um governante, pessoa idónea, chefe de família e um diplomata com uma carreira ímpar, torna-se pertinente trazer certos esclarecimentos públicos, reafirmando a total disponibilidade do ministro em esclarecer este assunto no foro próprio.

Os equipamentos de que se fala, foram ofertados a Guiné-Bissau pela República Popular da Correa do Sul. Logo após a chegada dos mesmos, o Primeiro-ministro deu instrução ao então ministro da Pescas através de um Plano para distribuir os equipamentos para as três fábricas de gelo de 500 kg cada, que no plano anterior ao Porto de Pesca Artesanal do Alto Bandim. Uma fábrica de 500 kg para Uracan, Catió e Canchungo. Duas fábricas de 500 kg para Esperança Biombo e mais um gerador.

O ministro das Pescas por sua vez instruiu os serviços competentes do Ministério das Pescas no sentido desta distribuição ser respeitada. O Plano foi executado como previsto, mas os equipamentos destinados para as duas fábricas em Ondame não seguiram, porque não havia espaço e condições para a sua instalação na altura. Os responsáveis da Cooperativa de Pesca Artesanal da Região de Biombo ‘Esperança’, não só sabiam da existência desses equipamentos, como reconheceram não ter condições para guardar naquele momento. Aliás, como já foi esclarecido pelo Comunicado de Imprensa da Esperança Biombo e que tiveram a oportunidade de publicar. Perante esta incapacidade e falta de condições, se decidiu que os equipamentos deveriam ficar no Ministério das Pescas, enquanto se preparava o local da instalação.

Passado algum tempo, tendo em conta a existência desses equipamentos nas Pescas, algumas instituições públicas durante o período da Transição que sabiam da existência da mesma começaram a pressionar e na eminência do equipamento ser perdido foi decidido a sua transferência para um local seguro sem custos acrescidos, mas sempre com o conhecimento do beneficiário.

Por outro lado, é lamentável o facto e a forma como este assunto começou a ser tratado pelas autoridades e a Comunicação Social, deixando infelizmente impressão de existência de um desvio por parte do ex-ministro, o que não corresponde minimamente a verdade, segundo os factos comprovados através de diferentes provas exibidas.
Tratando-se de um assunto que remonta desde Abril passado, a associado ao facto do ministro não ter nenhuma actividade empresarial na área de Pescas, certas perguntas se impõem fazer:
- O porquê de Abril até a data presente os referidos equipamentos não foram utilizados, se na verdade tratavam de algum desvio? Os equipamentos para as fábricas não foram instaladas e nem o gerador foi colocado a funcionar!?
- Pergunta-se ainda os motivos da precipitação em despoletar este caso, sem tomar em contas as informações prestadas pelo ministro ao novo Governo e a novas autoridades de Pescas e muito menos os esclarecimentos dos responsáveis da ONG Esperança?
- Com que interesse o Ministério da Administração Interna tem abordado este assunto, sendo a mesma a tornar tudo ao público, sem que a Polícia Judiciária ou o Ministério Público pronunciem uma única vez?
- Desde quando é que o Ministério da Administração serve de denunciante?
- aqueles que falam deste caso, porque razão não fornecem elementos à instâncias competentes, em vez de estarem a fazer campanha na imprensa?
Só estas questões mostram a outra fase (talvez de maldade) que este assunto tem.
Porque é lamentável toda a campanha em curso com vista a denegrir a sua imagem e a reputação de que goza como diplomata de carreira e que nunca foi envolvido em assuntos obscuros.
Por último, embora não seja o ministro, sei que ele está tranquilo sobre esta matéria, porque agiu apenas de boa-fé para proteger um bem público e propriedade de uma determinada organização, neste caso ‘Esperança de Biombo’.

Bissau, 25 de Augusto de 2014

Funcionário da secretaria de Estado das Pescas, ex-Ministério das Pescas
PARA NDJI ASSANAN…

Já sabemos que Ndji Assan que agora até acrescentou o apelido  “Costa”,  é Cadogo Jr., um lacaio dos tugas, xenófobo e tribalista. Gente com mentalidade salazarista que conseguiu infiltrar-se no PAIGC. Dizem que são da raça ariana, superior, e só vêm o país colorido, com raças e tribos. Para eles, a distinção pelo nível social, sexo, orientação religiosa ou filosófica, não são relevantes. São indivíduos, mentalmente, descolonizados. 
São os mesmos que, no salazarismo, distinguiam a população entre civilizados e indígenas. Hoje, jogam com a mesma “fórmula racista” de dividir para melhor reinar. 
Essas pessoas quando atingiram o topo da direção do país foram queixar-se aos seus patrões no estrangeiro, falando como se tivesses descoberto a pólvora, a dizer que havia etnias predominantes nas nossas forças armadas. Ah já sei, começaram a lançar conjuros contra elas porque deixaram de ser o braço armado do PAIGC para servir o povo guineense. Bandidos!  

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Ndji Assanan Costa comentou isto




Senhores Intelectuais triBalistas na Diáspora, por acaso os vossos rostos, identidades e endereços estão estampando na net? 
Pelos vistos os senhores entendem muito de alhos e bugalhos, tanto quanto de baralho. Não restam dúvidas de que no início tentaram ludibriar muita gente com o discurso de defesa da cultura balanta e muitos caíram. 
Mas a vossa pratica logo se tratou de revelar a vossa real face de tribalistas e defensores de golpistas e ineptos, mas nunca da etnia BALANTA, a quem eu devoto o maior respeito e apreço. 
Pernambuco, Bahia e Gaúcha são regiões! 
Balanta é etnia!... 
No nosso contexto faz muita diferença!... Isto sim é misturar alho com bugalho, na tentativa de confundir os incautos. Só numa lógica perversa e maquiavélica, de saudosistas do golpe é que promover a integração das etnias, a representatividade nacional dentro de uma corporação, é dividir!.. O pior ignorante é o ignorante que não reconhece a sua própria ignorância e se julga um intelectual...
O povo escolheu os seus dirigentes, o país está se emergindo do lamaçal a que o golpe, apoiado a aplaudido por vocês, o atirou, os militares estão cumprindo os seus compromissos de se submeterem ao poder político e eis que acharam uma oportunidade de achar uma falsa dramatização forçada de um facto que deveria ser aplaudido, na vã tentativa de influenciar os militares a mais uma vez se oporem a ordem institucional. 
Bô CONTA MINTIDA!...
OLA AMIGO DOKA
Olha, peco-te que me transmita este recado ao Nuno Gomes Nabiam. Diz-lhe que eu não sou ninguém, apenas um cidadão guineense livre. Julgo que não precisará de saber quem eu seja, visto que eu próprio acredito em Deus sem nunca o ter visto. 
A ideia é que fui e sou seu adepto incondicional, sobretudo, por ter recebido de Kumba Yala, o patriota, defensor dos injustiçados, fenomenal líder de oposição que fez prostrar os ociosos do partido único, 
O “testemunho” para prosseguir com a sua luta. Estranha-me, pois, de saber que sofre de uma neura obsessiva de fundar um partido politico. Entristece-me, no entanto, de ter que lhe informar que, desta forma, acabará por, não apenas, cindir a grande massa sofrida do país, satisfazer a vontade dos ociosos, como acabará por deitar ao chão, o legado histórico de Kumba Yala, e seguir um caminho misantrópico.
May God bless Guiné-Bissau!
Editorial: QUOTA ÉTNICA, JOMAV QUER AGRADAR QUEM?
DSC_0035

A decisão do Presidente da República em instituir o princípio de quota étnica na composição do batalhão presidencial, além de ferir princípio da legalidade, carece de enquadramento no atual contexto sócio político do país. A menos de dois meses de exercício, após ter jurado respeitar a Constituição com fidelidade, Jomav deu o primeiro golpe ao fundamento do nosso Estado que é a unidade nacional. Em vez de afirmar-se como garante da unidade da família guineense assente na sua diversidade étnica e cultural, o novo chefe de Estado assumiu a postura ordinária de alguns guineenses guiados por sentimentos divisionistas de servir interesses particulares. Em vez de tentar construir um país alicerçado na confiança e na harmonia, Jomav pintou ainda mais o veu da desconfiança não só para com as forças armadas assim como toda grande família guineense. O papel do Presidente da República não é de cavar o túmulo de discordia com a “enxada” de  ilegalidade e do populismo. O papel de um estadista, sobretudo no contexto guineense, é de mobilizar e arrastar todos os guineenses, independentemente das suas pertenças étnicas, a volta do ideal do progresso através de atitudes e ações justas em prol do bem-estar coletivo. Aliás como fora com o nosso saudoso líder Amílcar Cabral. Este deveria ser a postura de um Presidente que quer mudança duradoura neste país.
 
Na nossa visão, a decisão presidencial de fixar quota para cada grupo étnico é vergonhosa e perigosa. Vergonhosa porque deixa transparecer um improviso patente do Presidente Jomav e isso suscita dúvidas quanto à tecnicidade dos seus assessores quer na área jurídica quer na parte política. É perigosa porque esta questão importante não teve um tratamento adequado com base em auscultação alargada tanto do Conselho de Estado bem como do Governo responsável administrativamente das forças armadas. Sendo assim, a imposição de quota étnica pode alastrar-se às outras instituições de Estado. E será que este país está de facto preparado para isso? Será que o problema da Guiné-Bissau enquanto Estado está na dificuldade de coabitação étnica? Qual é o grupo étnico que não foi vítima, a um dado momento de história deste país, de ilegalidades, abusos de poder, de sucessivos regimes? O problema está de facto na composição étnica das instituições públicas ou está no sistema instituido que mata o mérito em detrimento de clientelismo e nepotismo? Porque não aplicar o mérito e a carreira para construir uma nova instituição militar profissionalizada em vez de recorrer às mesmas “saladas” de ontem?
 
Depois de tudo, fica-se com a sensação que o Presidente Jomav tem uma visão simplista das forças armadas de que é, a luz da Constituição o Comandante em Chefe, e do imperativo da sua reorganização que só é possível por via de um processo de reforma definido por leis e não por vontade de uma pessoa ou de um grupinho de indivíduos. Senhor Presidente, a experiência já nos provou que a restruturação das forças armadas guineenses é indissociável da imperativa reforma de todo o aparelho de Estado guineense. Nessa magna tarefa, não há lugar para “medidas preconceituosas” que só conduzem à desordem. As constantes tentativas de fazer da instituição militar “bode expiatório” da crónica crise que tem afatado de que maneira a Guiné-Bissau nas duas últimas décadas devem acabar e deixar lugar para o rigor, a tecnicidade e  a transparência na gestão dos assuntos militares. É hora de parar com a cultura de “matchundadi” e amadorismo em detrimento da legalidade. Caso contrário, vamos continuar procurar os fantasmas onde não existem.
 
Ao Presidente da República, a lucidez é importante  na abordagem de grandes questãos sem nunca omitir a história, instrumento de clarividência aos homens no presente na sua caminhada ao futuro. O problema nas forças armadas, a semelhança de todo Estado, está na falta de respeito pelas leis. Respeitemos as leis  e, claro, depois tudo será fácil!
 
Por: Redação

domingo, 24 de agosto de 2014

"CAVALOS DE TRÓIA" EM BISSAU...
Não há "Cavalos de Tróia" na nossa terra? Há muitas "lacunas" destas no país. Algumas são do tempo da velha senhora e outras ainda estarão a caminho, provavelmente, enviadas via TAP. 
Entre os que já ca estão, destaca-se a Mavegro e seu dono, o senhor Jan Van Maanem. Recordam-se, em Abril do ano passado, o chefe do Estado-Maior do Exército da Guiné-Bissau, António Indjai, reagira fortemente, com razão, desmentindo os rumores lançados pelo holandês, Jan Van Maanem, de que as tropas guineenses estariam a movimentar-se para uma eventual tomada do poder. 
Há muitas nódoas negras em torno deste magano por descobrir. O que estamos a ver é uma ponta de "iceberg". É verdade que o país só tem a ganhar com investimentos privados, mas nunca com "Cavalos de Tróia" ou "máquinas de lavagem de dinheiro". 
Muitas empresas se instalaram em Bissau a troco de "favores" ao partido no poder (o PAIGC). Quem não conhece a relação promíscuo que havia entre Jan e o ditador Nino vieira? 
Com o falecimento deste virou-se amigo do ex-Primeiro-ministro Cadogo Jr.. 
A Mavegro e Jan sempre participaram, aliciando, discretamente, eleitores em campanhas políticas e eleitorais pelo PAIGC.   
Afinal quem é Jan Van Maanem???
Hum, preparem- se porque boa coisa não está para vir.
Aqui no Doka internacional, fala- se e mostra- se aquilo que muitos teem medo.
SER "GAY" EM ÁFRICA...
O Pew Research Center (PRC) lançou, uma vez, a pergunta: "a sociedade deveria aceitar a homosexualidade?". O objetivo era mostrar os níveis de homofobia (ódio em relação aos homosexuais) no mundo. 
A pesquisa mostrou que os países muçulmanos e da África subsaariana são os menos tolerantes. Ao passo que os ocidentais aceitam melhor a homossexualidade, sendo Espanha e Alemanha as primeiras da lista nesse quesito. 
A África, aliás, é descrita na matéria do jornal norte-americano como “quase uniformemente anti-gay”. Por todo o continente, os resultados afirmativos à pergunta do PRC ficaram abaixo de 10%, sendo a Nigéria o único país da pesquisa em que apenas 1% das pessoas respondeu “sim”. 
A África do Sul, que tem tradição em lutas a favor do movimento gay, foi a excepção, com um ainda baixo índice de 32% de respostas afirmativas. No Senegal, onde 3% das pessoas responderam que a sociedade deveria aceitar a homossexualidade, a pena de morte para gays foi abolida recentemente. 
Em Junho, o presidente Macky Sall rejeitou o pedido de Obama para que os africanos concedessem aos gays os mesmos direitos sob a lei, dizendo que não se considerava homofóbico, que não apoiava a discriminação contra homossexuais, mas que o país não estava pronto para descriminalizar a prática da homossexualidade. 
No Senegal, "um ato impróprio e não natural com uma pessoa do mesmo sexo" pode ser punido por até cinco anos de prisão. 
Recorda-se que em Fevereiro de 2008, no Senegal, a polícia cercou homens suspeitos de serem homossexuais depois que um tabloide senegales publicou fotos de um casamento gay secreto em um subúrbio de Dacar. Gays se esconderam ou fugiram para países vizinhos, mas foram expulsos de Gâmbia sob a ameaça presidencial de decapitação.
Amnistia Internacional chegou a divulgar um relatório, em tempos, que indica que 38 países africanos criminalizam a homossexualidade. Em quatro destes — Mauritânia, norte da Nigéria, sul da Somália e Sudão —, a punição é a morte. E diz que essas leis parecem ter um forte apoio público nesses países. Uma pesquisa de 4 de Junho do Centro de Pesquisa Pew apontou que ao menos nove entre dez dos entrevistados no Senegal, Quénia, Gana, Uganda e Nigéria acreditam que a homossexualidade não deveria ser aceita pela sociedade. Mas a minha pergunta, é a seguinte:
Quem, ou qual dos nossos dirigentes e politicos teem tendência de homosexualidade ou mesmo de ser gay.
Não importa a pessoa ter mulher em casa e ter filhos..., o problema é que esse politico é gay.
Mas vem uma bomba, porque uma das pessoas com que se relacionaria, é estrangeiro e é de um país de europa.
Mas de quem estou a falar?
Bombaaaaaaa

Alho com Bugalho

Li um comentário no Blog do Doka e também no Intelectuais Balantas Na Diásporas, a preocupação do nosso irmão Ndji Assanam. Eu acredito que ele veio no sentido de defender as criticas divulgadas esta semana sobre a decisão do presidente da república José Mario Vaz sobre Quota Étnica. Na verdade o artigo foi editado pelo “Jornal Odemocrata” e reeditado no blog Intelectuais Balantas Na diáspora.

A preocupação do Ndji Assanam vem nos moldes dos comentários preferidos por alguns guineenses desde criação do referindo blog, que até mereceu uma reflexão do nosso irmão Filomeno Pina que nos brindou com belíssimo artigo.

 

Mas é verdade que nosso irmão Dji Assanam não foi feliz no seu comentário, porque estas questões colocadas por ele, no caso: criar um bloq se autodenominando Intelectuais Balantas na Diáspora, também não é uma manifestação explicita de tribalismo? Não é criar divisionismo no seio dos guineenses? Afinal, esses senhores têm bilhete de identidade balanta? 

 

Digo que ele(a) não foi feliz por seguintes razões:

1)      Discutir uma decisão do Presidente da Republica é muito diferente em discutir a questão de simples cidadão que decide criar sua empresa e colocar um nome a qual ele prefere;

2)      Presidente da Republica é uma figura publica que representa o país em todos vertentes e a decisão tomado por ele com base no decreto, ou seja, o que for...nos afetam, no sentido de que deve ser cumprida, mas a do cidadão não;

3)      Nos diplomas que regula abertura de uma empresa não restringe o tipo de nome que o proprietário quer atribuir a sua empresa, por isso existem nomes que refere desde nosso país, nosso pai, avô, esposa etnia etc. exemplo do Brasil há lojas com nomes como: CASAS BAHIAS, LOJAS PERNANBUCANAS, LOJAS GAÚJAS, mas isso não é motivo de promover tribalismo entre estas regiões, muito pelo contrário é homenagem ao que a pessoa pertence.  Ninguém é obrigado a aderir se não gostar ou comprar nestas lojas, mas a decisão presidencial é a lei e todos são obrigados a cumprir.

 

Eu acredito que o debate neste sentido deve ser independente e com espírito de cidadania, sem tentarmos defender este ou aquele.  Porque o país nos pertence a todos, e todos nós temos direito de concordar ou não com alguma decisão, mas sempre com base nos instrumentos que nos guiam.

 

Preocupa-me com alguns cidadãos que se escondem no ANONIMATO ou PSEUDÔNIMO para ofender ou simplesmente opinar o que pensam. Acredito que é desrespeito àqueles que dedicam seu tempo na promoção de bom debate para construção do nosso país. Vale apena acreditarmos nas nossas instituições mesmo ainda com algumas falhas, acreditar no sentido de que estão para resolverem os nossos eventuais diferenças.

 


Abraço a todos