OGIVA NUCLEAR

segunda-feira, 30 de junho de 2014

O Movimento de Luta Pela Verdade, nasceu e deu já o seu primeiro passo em direcção as crianças carenciadas e humildes.

Ontem domingo dia 29- 06- 2014, por volta das 17 horas, este movimento deu um lanche para para elas.

Tivemos a presença de muitas figuras, várias personalidades que acharam que fazendo parte deste projecto, seria uma mais valia em defesa do bem.

Lutemos pela verdade e pelo bem do nosso povo.

sábado, 28 de junho de 2014

O MOVIMENTO DE LUTA PELA VERDADE, este domingo dia 29 de Junho de 2014, vai dar um lanche para as crianças carenciadas em bairro de ajuda- próximo  do MERCADO DE KUNDOC, por voltta das 17 horas.

Irão estar presentes personalidades politicas, músicos, pastores de igreja, etc.
Tudo isto em defesa da verdade e do bem estar das crianças.

Recordar que este movimento irá atacar e desenvolver as suas actividades na area social. saúde e justiça.

O MOVIMENTO DE LUTA PELA VERDADE, está já em activo a algum tempo para cá mas de uma forma discreta.
A sua primeira conferência de imprensa está previsto para o dia 11 de Julho de 2014.
Vamos lutar pela verdade, mostremos ao mundo o mal que esta ou que paira sobre a nossa terra. 

sexta-feira, 27 de junho de 2014

 À Direcção Superior do Partido da Reno-
Vação Social (P.R.S.)

Na sequência da carta enviada à essa Direcção exigindo a sua demissão por razões já evocadas na carta anterior, eu Caminate Djata, na qualidade de membro da Juventude de Partido da Renovação Social, venho por este meio comunicar que  esgotados o prazo de setenta e duas horas para uma resposta, a carta enviada, a qual não se veio a verificar até a data, assim sendo, levo ao conhecimento dessa Direcção que, oportunamente, organizarei uma Conferência de Imprensa  para o efeito.
Contudo, resulta conveniente ainda informar que, no contexto interno do (P.R.S.), a sua Juventude tem vindo a observar atentamente todas as movimentações.
Feito em Bissau aos 27 do mês de junho de 2014.
Atenciosamente.

                                                 Caminate Djata membro da Juventude do P.R.S.
Mário Pires, o homem certo para o PRS.
Quem foi, quem é..., e quem será este homem?

Uma política sincera exige a Verdade, e a Verdade nos liberta. Foi assim que, alguns      pensaram e criaram uma grandiosa formação política denominada (PARTIDO DA RENOVAÇÃO SOCIAL) e o implantaram com uma ideologia prática e modesta.
E resultou. Mas ansiamos saber como começou.
Quem eram essas pessoas?
                                                                                                                                                                                                                                                                                                               
Temos o direito à liberdade de procurar a verdade e defender as próprias ideias. Pois é esse grande direito que os tiranos amputam.

A verdade é dura, talvez terrível, algo intolerável, pessoas vulgares não poderiam viver com elas.
Testemunhas da verdade sempre irritam os cépticos e os hábeis e os habitantes da terra procuram sempre desembaraçar-se deles, e quando os seus cadáveres jazem na praça esses hábeis habitantes da terra entregam-se a alegria.

Nestes dias o que se passa no interior desta segunda Força Política (P.R.S.), momentos críticos e, de todas as esquinas uma voz se ouve e se vai estendendo como a água de um reservatório roto:
Precisa-se de um homem!
Como será esse homem?

Deve ser puro internamente, incapaz de desalento, disposto a remar contra a maré, sempre, sempre, sempre ...

Deve ser um homem que olhe a vida com seriedade aborrecendo os bufões e a sua influência perniciosa.
Deve ser um homem sincero cem por cento, que esgaravata sem receio de encontrar a verdade, preparado para enfrentar a corrupção, os aduladores e mentirosos, e que desmascarem grupos de pressão.
Terá que ser um homem pobre, para se aproximar dos pobres e amantes da sua pobreza e não invocando a força do seu prestígio senão da sua humildade e autenticidade.
Será um homem livre, não ligado aos poderosos nem aos ricos, mas sim os respeitando. 
Não manietado pelo seu amor ao próximo. Livre de prestígios e honorabilidades que envilecem.

Um homem que, escravo só da sua consciência, faça todos os dia a experiência de servir a DEUS antes que os homens.
Será um homem espiritual, profundamente humano, mas sem o contágio deste materialismo que invade o mundo.

Em suma, o homem que necessitamos não deveria ser um Temente a Deus?

O MOVIMENTO DE LUTA PELA VERDADE não se dirige essencialmente ao êxito, mas ao testemunho.  << É NECESSÁRIO DEIXAR CORRER A VERDADE!>>

O PRS, neste momento, encontra- se em maus lençóis, e precisa urgentemente de uma verdadeira liderança, ou caso contrário irá cair em desgraça.

Neste momento este partido não tem lider, Alberto Nbunhe Nambeia actualmente é o segundo vice presidente da ANP, 
Portanto o caldo está entornado...., Nambeia vendeu- se.

Dentro destes dias irá ser provocado um conselho nacional.
A memória dos grandes fundadóres serão postas na mesa e em causa.

Recordar que grandes homens como Carlitos Sousa, Koumba e Pedro Bacar Mané, já falecidos, jamais poderão ser esquecidos por tudo aquilo que um dia fizeram por este grande partido e pelo país.
E quem os esquecer, estará escamuteando as verdades.

Há que defender e dizer a verdade sobre cada qual.

Alberto Nambeia, tomou este partido e fez dele um instrumento de negócio, desrespeitando a tudo e a todos, os seus principios e valores.
O cadavér ainda não foi encontrado, os familiares continuam em polvórosa, não existe por enquanto nenhuma explicação.
A pessoa detida recusa falar.
Aqui na Guiné Bissau, apenas nos falta falar de canibalismo.
Bandidasku txiu.
OS TUGAS EM MALABO


Todos o caminhos da CPLP vão dar às Forças Armadas da Guiné-Bissau. Os tugas soltaram o coelho da cartola. O objetivo é aniquila-la. “Proeza” que não alcançaram na luta armada. Agora que conseguiram colocar os seus peões no poder na Guiné-Bissau, querem convencer o mundo para uma nova forma de colonização em África. A experiência começa na Guiné-Bissau! 

O novo Bartolomeu Dias, o Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Luís Campos Ferreira, subiu a tribuna, ontem, quinta-feira, pedindo, na cimeira da União Africana, em Malabo, Guiné Equatorial, o “alargamento” da “Força de Estabilização Internacional” na Guiné-Bissau, com mandato das Nações Unidas e envolvendo a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), incluindo Portugal. 

Disse o colonialista, Campos Ferreira: “É necessária uma força de estabilização internacional que deve ser um alargamento da existente” para a Guiné-Bissau, envolvendo «países das imediações e a CPLP, com um mandato da ONU”.

Creio que o mundo precisa de reinventar o conceito de “estabilização”. É preciso saber, na verdade, os fundamentos da necessidade de “fixar”, “permanecer”, “equilibrar” força internacional na nossa terra. Precisamos de saber se na Guiné-Bissau ocorrem neste momento raptos de portugueses ou o nosso país está em conflito armado e até corre o risco de se dividir como acontece em Moçambique? 

Teremos que perguntar ao novo Bartolomeu Bias, o senhor Campos Ferreira se não está a confundir a Guiné-Bissau com Cabinda? Ou se na nossa terra existe alguma base do grupo islamita Boko Haram? Os rios secaram na Europa, agora a todo o custo, Portugal tem de partir para o mundo, contra ventos e marés, a procura de matérias-primas. 

Portugal salazarista lançou-se para a guerra contra o povo da Guiné-Bissau, mas vai, de novo, tê-la!  

Viva a Guiné-Bissau

quinta-feira, 26 de junho de 2014

“AMIGOS DA ONÇA”…


O novo Presidente da Guiné-Bissau, José Mário Vaz, viajou, ontem, quarta-feira para a Guiné-Equatorial para participar na cimeira da União Africana (UA) que decorre na quinta e sexta-feira em Malabo (Guiné-Equatorial). O chefe de Estado guineense tinha saída de Bissau marcada para às 23:00 (meia-noite em Lisboa) num avião cedido pelo presidente do Senegal, Macky Sall. Diz-se que José Mário Vaz  pondera a hipótese de passar ainda por Luanda (Angola), na ida ou no regresso da Guiné-Equatorial.

Parece confirmar-se o fato de que a nossa “falta de sorte” estar diretamente ligada aos atributos políticos das nossas lideranças do período pós-independência. Queria dizer na visão política global das personagem que encarnaram estas funções. Pergunto: como é que um chefe de Estado, dois dias após o empossamento,  tem veleidade  de partir para uma missão definida e depois “dar o jeito”  de juntar agenda controversa? Mesmo que não viajasse de pendura, quanto mais à custa do Presidente do Senegal.  

Estranhamos a emergência da visitar a Angola. Fala-se em amizades antigas dos tempos da luta anticolonial. Mas o que temos visto é que Angola virou-se “amigo da onça”. Recordo bem que participamos, militarmente, na guerra fratricida  em Angola. 

Sobretudo, no confronto entre os beligerantes no Coito Cuanavale, envolvendo o exercito sul-africano.  Mas, acontece que o executivo angolano ao evocar a nossa contribuição, de uma forma quadrada, restringe-a  a aliança entre os partidos amigos (PAIGC e MPLA), e nunca numa visão mais ampla de amizade entre os dois povos. As suas implicações, ultimamente, nas contendas políticas partidárias e militares na nossa terra, explica essa realidade.

Duranta a campanha eleitoral, os candidatos do PAIGC (tanto Domingos Simões Pereira como José Mário Vaz)  insinuaram de que iriam “disciplinar” as Forças Armadas da Guiné-Bissau. José Mário Vaz, na sua investidura, no que concerne à reforma das Forças da Defesa e Segurança, disse: 

“Prosseguiremos, com diálogo permanente na base de consensos com a sociedade castrense às reformas e modernizações em curso no Sector da Defesa e Segurança, assim como na abordagem que faz do serviço militar uma das forjas da Unidade Nacional e da consciência patriótica dos jovens. Ele será complementado pelo serviço cívico, com a virtude de reforçar o espírito de voluntariado da nossa juventude e do seu amor pelo nosso maravilhoso Povo.” Portanto, não sabemos se tem na sua agenda escondida o desejo de reeditar a “Missang”. 

A presença do Ministro das Forças Armadas de Angola, João Lourenço, na cerimónia da investidura do novo Presidente guineense, prenuncia esta predisposição por parte de José Eduardo dos Santos, que teima em olhar para o guineense como alguém que precisa de remir os pecados pelo assassinato de Nino Vieira. O problema é que alguns angolanos não admitem a analogia entre alguns acontecimentos na nossa terra  e as circunstancias que levaram a morte do líder da UNITA, Jonas Malheiro Savimbi. 

Portanto, como se pode constatar, é por estas e outras razões que até é do conhecimento público e internacional, não nos resta outra chance que não seja de vigiar os “amigos da onça”.  


A pretensão, do Presidente guineense, em chegar a Luanda, só pode ser vista como uma paródia! Não contribui para o desanuviamento do clima de constrangimento existente, entre executivo angolano e o povo guineense. Posso afirmar que se vivia uma certa anarquia no relacionamento entre a Guiné-Bissau e Angola, no consulado do falecido Presidente Malam Bacai Sanha. A Guiné-Bissau parecia esfera de ação do Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos. Por tudo e por nada mandava avião transportá-lo para Luanda, para as conversações. 

Mas ele nunca pisava o solo guineense. Tinha moços de recado que fazia o trabalho por ele. Agora, se José Mário Vaz entende que não está na altura de dignificar o cargo para que foi investido, vai a tempo de o renunciar. 

“Presidência da República” não é para “experimentalismos” ou lugar para estagiários. O Estado guineense dispões de poder mais alto que traduz no exercício pleno da sua soberania e não verga perante nenhum outro Estado, no planeta terra.  As relações entre Estados são geralmente pacíficas, mas as nossas com alguns países da CPLP (Angola, Portugal e Cabo Verde) estão afetadas por ressentimentos, praticamente insanáveis, e que a História registou, a conta do golpe de Estado de 12 de Abril de 2012, que destituiu o governo de Carlos Gomes Júnior. O povo recomenda ciência e arte na condução da nossa política externa.    
PRESENTE ENVENENADO

Na verdade, tem lógica a chamada de atenção do anónimo sobre as 12 viaturas doadas pelo Presidente Yahya Jammeh de Gambia a Presidência da Guiné-Bissau. Cheira a lavagem de dinheiro sujo. Ai tem gato! 

Há muito que se dizia que José Mário Vaz tem ligação com os rebeldes de Casamansa. O embrulho está  a desfazer-se. Sabe-se que Jammeh é aliado de Angola. E não tem dinheiro nem para comprar uma viatura para a sua Embaixada em Bissau. Onde desenrascou tantos meios? Do nada é que não pode ser! Por detrás de Jammeh perfilam Sonangol, GALP e o gang do “Navio Bolama” que fazia negócio de arma e de droga.

Quem não conhece Yahya Jammeh, que o compre, eu nunca! É uma figura que para já devia ter coragem de vir ao terreiro dizer aos gambianos e ao mundo quem é sua verdadeira mãe. Há uma parábola antiga nas línguas africanas que diz: “se você se recusa a aceitar quem você é, então você está a ridicularizar os valores de seus antepassados e fazer troça de si mesmo.”

Em 2013, Tarde Shyngle Nyassi encheu-se de coragem e revelou o nome da mãe biológica de Jammeh: Madame Assombi Bojang. Toda gente acreditou que isso fosse verdade, visto que não aconteceu nada de mal a Shyngle. Isso porque não há nenhum gambiano que não conheça o carater amargo do Presidente Jammeh. 

Uma pessoa sem caráter, rude com as pessoas que estão ao seu redor. Mães dos ministros, soldados, etc são insultados por Jammeh sempre e em qualquer ocasião.   Nem é preciso pesquisar muito para descobrir que Jammeh é uma pessoa irresponsável, habituado a dizer palavras com desdém, aos seus inimigos, como cães, animais, vão para o inferno, vá beijar o céu, etc, etc.   Gâmbia, infelizmente, não tem presidente, tem um bandido armado,   um forasteiro como chefe de Estado.


Exigimos ao Presidente José Mário Vaz que devolva à procedência as viaturas que recebeu!

quarta-feira, 25 de junho de 2014

CHAMADA DE ATENÇÃO PARA POVO GUINEENSES !!!!!

Ola amigo Doka muito bom dia, e te desejo tudo de bom no seu trabalho de dia a dia.

Para começar gostaria de felicitar todos povo guineenses, e parabéns Guiné-Bissau, pela tomada de posse de novo presidente eleito.
Eu acompanhei discurso de Sr Jose Mario Vaz muitíssimo bem na tomada de posse como sendo presidente da Republica de Guiné-Bissau, mais aquilo que eu percebe, me parece que ele nunca pensa na reconciliação para unir todos filhos de Guiné-Bissau, e desenvolver setor de educação, justiça, agricultura e tudo mais etc.
Na maior parte de discurso dele é de combater corrupção nas exploração de recursos naturais do país, mais parece que antes de isso ele deve pensar na educação e depois combater corrupção fortemente nas recursos naturais.
E outra coisa guineenses devem pensar muitíssimo bem sobre caros que governo de Gambia ofereceu a presidência de Republica, porque as coisas já começou a rolar mais de novo.
Angola sempre é inimigo de Guiné-Bissau, todos nós sabemos que governo angolano tem um ligação com governo de Gambia para acabar com militares que participaram na golpe de 12 de Abril de 2012, mais é bom que todos militares ficam atentos porque um momento a outra algo de mal pode acontecer lá.
Senhor Jomav sempre pensa vingar mais muito mais, e o criminoso Cadogo já esta ha ver jeito de entrar Bissau mais para refugiar na instalação de ONU e depois passar a dar ordem em cima de Jomav e Domingos Simões Pereira.
O homem tomou posso mais com a raiva, de que ele foi preso porque roubou dinheiro de povo, e hoje ele é primeiro magistrado na nação mais vai ter que vingar, porque na Guiné-Bissau é abito que todos nós aprendemos.
E por outro lado gostaria que os editores de BLOG PROGRESSO NACIONAL, deixam de ser babacas, porque nunca pensei que eles é que vão fazer este tipo de coisa, porque na Guiné-Bissau nós não sabemos o que significa raça ou cor, todos nós somos igual.
Eles publicaram que pela primeira vez que um filho de MANDJACOS ser presidente na Guiné-Bissau, mais pergunto se o Sr Jomav é presidente da Republica de todos guineenses, sera que ele vai passar resolver somente problema dos MANDJACOS, não é de todos guineenses, por favor deixam de ser babacas fechados.

Para finalizar peço todos guineenses para colaborar e trabalharmos em prol desenvolvimento da nossa terra.
Obrigado te agradeço muito amigo DOKA.

Anonimo. 
EXCLUSIVO..., EXTREMAMENTE FORA DO COMUM E DO NORMAL..., FAMILIARES ESTÚPEFACTOS E SEM CAPACIDADE DE RACIOCINIO DEVIDO AO ACONTECIMENTO.

RESTOS MORTAIS DE DONA PAULA DA SILVA LOPES, DE 67 ANOS DE IDADE..., DESAPARECE NO MORGUE DO MAIOR HOSPITAL DA GUINÉ BISSAU- Simão Mendes..

DEFUNTO DESAPARECEU, SUMIU, EVAPOROU?  COMO É POSSIVÉL?
A DIRECÇÃO DO HOSPITAL NÃO TEM EXPLICAÇÕES PARA TAL.

DE MOMENTO, UM DOS DOIS RESPONSAVÉIS DA CASINHA MORTÚARIA, O SR. AMADU, ENCONTRA- SE NA POLICIA JÚDICIARIA.

Eu Doka sempre digo, que aqui na Guiné Bissau, tudo é possivel, e de tudo acontece.
Mas para muitos o Doka é um louco.

Sim, aceito esse nome, eu sou louco, sou um demente, sou um suicida..., mas tudo em defesa da verdade.

Nundé kurpu di mindjer di djinti?????????????????????
kal ki mistério máss?

A familia estava a espera dos restantes familiares que vinham do estrangeiro para o enterro- funeral... e PUFFFFFFFF...., os restos mortais......,  desapareceu.

Credi.
Continuo a seguir este caso horrivél

terça-feira, 24 de junho de 2014

TEORIA VS PRAXE

 

O discurso do dia 23 de Junho, ontem, do novo Presidente da República da Guiné-Bissau, Dr. José Mário Vaz, faz recordar a velha máxima que diz: “Faz o que te digo, mas não olhes para o que eu faço”. 

O impacto foi retumbante. Foi uma colisão entre o perfil político do personagem que encarna o lugar de Presidente e o discurso por ele proferido. A oratória soava como uma “canção de embalar”. 

O senhor Domingos Simões Pereira, o atual Primeiro-ministro, até ficou entorpecido, enquanto a sua esposa o abanava. O Presidente José Mário Vaz parecia um “estranho” vestido de sacerdote pregando no altar. Exprimia o que queria que o povo e o mundo escutassem. 

Confessou em meios restritos que apenas trabalharia com os militantes do PAIGC, mas no dia do seu juramento disse:  “(…) Assim, com este capital de confiança e de legitimidade, queremos exortar a Nação Guineense que assuma que é chegado o momento de secundarizarmos as diferenças políticas que caracterizaram a competição pelo voto e dedicarmo-nos à luta contra a pobreza, com todas as nossas energias. 

E reafirmou dizendo: “(…) serei o Presidente de todos os guineenses e que tudo farei para que os diferentes Órgãos de Soberania respeitem e façam respeitar o Estado de Direito Democrático e de Justiça Social, baseado no pluralismo político e de expressão, no respeito e garantia dos direitos e liberdades fundamentais de todos os cidadãos, independentemente de qualquer circunstância que os diferencie, assegurando igualdade de oportunidades.”

O novo Presidente da República foi ministro das finanças do governo de Carlos Gomes Júnior, derrubado em 12 de Abril de 2012. È constituído arguido no processo sobre o desvio de 12 milhões de dólares. Sobre a corrupção disse: “ (…), será fundamental instituir na nossa sociedade uma verdadeira cultura de tolerância zero e de combate sem tréguas à corrupção. Pilar fundamental para a afirmação do Estado de Direito democráticoCultura que constitua uma poderosa base de partida para este combate que a todos deve mobilizar.

A “má coabitação” político-institucional tem sido um dos fatores da instabilidade política. Nino Vieira punha as mãos e os pés no “barkafon” do governo. Espiava e interferia em tudo que era da competência do governo. Será que José Mário Vaz pretende imitar essa postura em relação às ações que seriam da estrita competência do atual Primeiro-ministro? 

O filho do atual Presidente da República é portador de alvará de abate das árvores. Sobre essas questões, o Presidente esclareceu: Ainda neste quadro prometi durante a campanha, que após a minha tomada de posse iria estar atento e vigilante no que se refere ao flagelo do fenómeno da corrupção e sobretudo que chamaria ao meu gabinete todos os dossiers relacionados com o abate das árvores e exploração ilegal dos nossos recursos naturais a bem da nossa querida Guiné e das gerações vindouras.”

O bom exemplo começa em casa!
COMPORTAMENTO IMORAL, A VERGONHA DE UMA NAÇÃO, DESPREZO A UMA BANDEIRA.
ATITUDES DESTE TIPO COMPROMEU A TODOS OS GUINEENSES.

Durante o empossamento de ontem do novo presidente- JOMAV, o paigc, um pequeno grupinho do paigc, liderado por pessoas anórmais e sem escrúpulos, APUPARAM  Manuel Serifo Nhamadjo, insultado- o quando este estava de saída do evento.

Vários chefes de estado como de Senegal, Gambia, Nigéria, Togo, Burkina Faso, Mali, Niger, de imediato reagiram a fim de saber as razões de toda aquela atitude negaiva.  Porque se deram de conta que aquilo teria sido algo montado e mostraram o seu descontentamento de uma forma unanime visto que os apupos apenas vieram de um determinado local.

O paigc falou- nos de reconciliação, falou- nos de dialógo durante a campanha..., mas esatmos a ver de novo uma faceta que a muito tempo conhecemos.

Recordar que Nhamadjo, e Rui Barros, assumiram o país num momento turbulento e complicado.
Apenas podemos agradece- los pelo esforço...., e pela vontade.


segunda-feira, 23 de junho de 2014

Meu DEUS, caramba..., durante o empossamento, e enquanto JOMAV discursava..., adivinhem:
Domingos S. Pereira dormia- I NA DJUNGU BÁ.
A camera televisiva o captou em flagrante, e a sua esposa PAULA COSTA lhe abanava com um BANADERA.
Realmente o homem estava cansado.
Nubai són.
Mas por outro lado para que este evento fosse transmitido em directo atravéz da televisão...., vieram equipas e equipamentos de SENEGAL.
Guineenses, depois de 40 anos de independência, ainda continuamos tramados e amarrados a corrente de Satánas.
Credi, figa canhota.

O maior partido da oposição- PRS, está sem lider.
Politicamente, se não se levantarem as vôzes da verdade, o PRS irá passar ao esquecimento.

O actual lider deste grande partido, é o segundo vice da ANP.
Negociou e está neste lugar.
No meu ponto de vista, em termos politicos, acho que isto em nenhuma parte do mundo chegou de acontecer. 
Hoje o PRS tornou- se num instrumento de negócios

Enfim, mas aqui na Guiné Bissau, tudo é possivél:
Mata- se a um presidente da república, assássina- se a um chefe de estado maior, muita gente, altas personalidades politicas da nossa sociedade é morta....,  ministros, deputados espancados, e a coisa fica por aí.

Alguma admiração?
CARTA ABERTA AO NOVO PRESIDENTE DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU

Excelentíssimo Senhor Presidente da República

Irmãos e compatriotas,
Minhas senhoras e meus senhores

Na qualidade de cidadão livre do meu país, Guiné-Bissau, em nome dos ideais patrióticos da libertação e da liberdade, gostaria de transmitir a Vossa Excelência os meus sinceros votos de um mandato estável, digno, saudável e competente. 

Senhor Presidente,
O Dr. José Mário Vaz, é um pedaço nascido do ventre da nossa terra mãe. Conhece os tormentos deste povo desde os tempos da colonização portuguesa até hoje. Decidiu ele próprio entrar na luta com os seus irmãos para carregar sobre os seus ombros a dura tarefa de liderança. Ganhou! É um homem com as suas virtudes e fraquezas. Hoje, será investido nesse lugar onde o seu nome e do grupo que o apoiou desaparecerá, tornando-se Presidente de todos os guineenses, sem exceção.

Senhor Presidente, a pátria de Cabral forjada na luta virou-se como a serpente que come os seus próprios ovos, o trabalhador virou vilão, o criminoso e corrupto honrado. Esta situação nos trouxe desgraça. Por isso, permita-me recordar a Vossa Excelência as palavras do deputado Luís Nantam, do PRS, dizendo-lhe que: “As pessoas devem aprender com os erros do passado e não voltar a comete-los no futuro”. Ou seja, não queremos mais que a legitimação pelo voto se transforme na “carta-branca” para matar. Não queremos mais a mão invisível do gang do “navio Bolama” afundado em 1991 perto de lisboa interfira na condução do nosso destino.


Senhor Presidente,
Atrás de si, está um povo humilde e trabalhador, mas enxovalhado no mundo. Gostaríamos, por isso, que na sua função de mais alta magistratura da nação usasse a sua reputação para mostrar ao mundo o povo que, na verdade, somos, arredando, de vez, os boatos imundos despejados sobre nós dos mensageiros da desgraça que nada fazem mais que dividir para melhor reinar.

Nenhum povo no mundo “compra saninho (esquilo) na coba (toca) ”. Ou seja, pelas promessas de paz, liberdade, unidade e desenvolvimento, na campanha eleitoral, Vossa Excelência ganhou votos para dirigir o nosso país. Estou certo que se essas premissas fossem cumpridas o povo sentir-se-á galvanizado, os cidadãos transformarão em seus soldados e a prosperidade chegará.  

Senhor Presidente, na nossa visão, a emigração guineense não pode continuar a ser encarada como uma fatalidade. Ela é consequência direta do desemprego, perseguições políticas e falta de liberdade no nosso, desde o tempo do colonialismo, passando pelo de partido único até aos dias da democracia aparente em que vivemos. O senhor é formado em economia e faz política, por isso sabe do que estou a referir. A sangria de mão-de-obra e de talentos para o estrangeiro não pode continuar a ser uma “equação impossível” dos nossos dirigentes. O fenómeno encontra explicação na forma de condução política dos nossos países.   

Para terminar, aceita, senhor Presidente, que lhe dedique uma parábola do discurso do Presidente Obama, em 2009, no parlamento do Gana, sobre a tirania, onde dizia: a "Democracia é muito mais do que realizar eleições. Tem também a ver com o que acontece entre essas eleições. A repressão assume muitas formas e demasiadas nações são afetadas por problemas crónicos, que condenam os seus povos à pobreza. Nenhum país irá criar riqueza, se os seus líderes explorarem a economia para se enriquecerem a si próprios, ou se a polícia puder ser comprada por traficantes da droga. Nenhuma empresa quer investir num país onde o governo retira para si 20 por cento dos lucros, ou onde o diretor das alfândegas seja corrupto. Ninguém vai querer viver onde o primado da lei abra caminho a um regime de brutalidade e subornos. Isso não é democracia, isso é tirania! E chegou agora a altura de pôr fim a tudo isso!".
Deus abençoe Guiné-Bissau!
Lisboa, 23 de Junho de 2014

Por: Nababu Nadjinal

sábado, 21 de junho de 2014

MÁRIO PIRES- UM DOS FUNDADÔRES E PRIMEIRO SECRETÁRIO GERAL DO PRS. 
De alguns anos para cá..., auxiliar ministerial da Igreja Assembleia de Deus Guineense. 
O segundo maior partido da Guiné Bissau- PRS..., na eminência de um Conselho Nacional, devido ao descontentamento dos verdadeiros fundadôres do mesmo.

Muitos dos seus militantes exigem saber do paradeiro do dinheiro atríbuido ao PRS na primeira volta e do montante que Nuno Gomes Nabiam deu a Alberto Nambeia- 300/ 400 MILHÕES DE FRANCOS CFA, incluíndo motorizadas e outros materiais e equipamentos.

Neste momento, o PRS encontra- se a deriva sem um comandante que o dirija ao bom porto.

PRS perdeu definitivamente a sua identidade e dignidade com comportamentos de uma empresa de negócios.

Tornou- se num instrumento manipulavél para muitos que hoje são considerados traidôres dos verdadeiros ideais..., quando poderia ser uma verdadeira máquina de oposição capaz de fazer frente a tudo e a todos.

É preciso urgentemente resgatar este grande partido do lamaçal e do abismo em que se encontra e fazendo- o  voltar a sua origem e a sua verdadeira história com os seus verdadeiros fundadôres .
O conselho nacional esta prestes a acontecer.

MÁRIO PIRES, uns dos fundadôres do PRS e o primeiro secretário geral do partido, ex primeiro ministro, membro da comissão executiva, encontra- se muito preocupado com a situação vigente no interior desta formação politica PRS.

Quem conhece este homem? Alguém sabe ele é?
Pois bem Guineenses, este é o famoso Regúlo Dos Mandjacos.
JOAQUIM BATICÃM  FERREIRA
Fuzilado no dia 10 de Março de 1976.
Acusação: 
Ligações perigosas com o colonialismo Português, fornecimento de materiais Bélicos incluindo aviões de Guerra.
Enfim, brincadeiras e costumes do PAIGC quando desejam ceifar a vida humana como sempre ceifaram.

À MEMÓRIA DE AMÍLCAR CABRAL

Ao assistir a esta DETURPAÇÃO, permanente, que se vive, hoje, no PAIGC - e por arrasto o meu país - trouxe à memória, por contraste, um homem que sempre soube resistir e lutar, alguém que pensou ideologicamente o Partido, um extraordinário LÍDER AFRICANO e reconhecido como tal internacionalmente, AMÍLCAR CABRAL. 

O PAIGC está hoje tomado por interesses que resultam de promiscuidade entre exercício político e negócios pessoais, ou seja, de gestão egoísta de poder, sem nunca ter feito aquilo que se impunha, que era pensar-se ideologicamente, em liberdade, para que viesse a ser qualquer coisa de consistente, para ter um rosto , uma tábua de valores pelos quais as futuras gerações se sentissem obrigadas a seguir como um legado histórico e com responsabilidade. 

Mas não! Caiu neste faz de conta que é, mas não é, e o que é não é o que quer parecer que é. É fácil de ver que estão mais focalizados nos benefícios pessoais e coletivos. Faz falta quem pense a política não como o lugar onde vale tudo, mas como o difícil caminho da responsabilização cívica. Um partido é uma parte do todo senão seria uma União Nacional, ou amálgama de trapos truncados. O que significa tem de saber representar essa parte, identidade ou “sentir” que luta, vive e acredita num conjunto de valores que entende como essenciais para a sociedade. 

E não estamos, pois, a falar de um partido onde todos cabem – inclusive, os inimigos dos que lutaram pela independência - para que alguns possam nunca perder, fazer negócio, à custa dos valores que não se vivem, até porque não se sentem, e que de vez em quando se apregoam. 

Ou de um partido que há muito enterrou “ideologicamente” o seu líder fundador e onde os líderes aparecem nos congressos já com lugares comprados e entre os hinos, sons dos batuques arrebitando à criançada chamada de “pioneiros Abel Djassi” e à juventude a quem pagam para abanar bandeiras nos comícios, só está a viver a ligeireza dos dias e sem fazer aquilo que lhe cabe que é descer dentro de si à fundura possível, através de um catarse como aconteceu no Congresso de Cassacá. Os valores não existem apenas para serem apregoados. Eles existem para serem vividos nos bons e, principalmente, nos maus momentos. 

E o que está a faltar no PAIGC é o mais difícil, a prática dos princípios programáticos que há muito abandonou para se "desenrascar " e fazer de conta que são eles os da “classe alta”, neste mundo globalizado pelo capitalismo sem ética nem moral. Após a independência, os seus dirigentes cometeram inúmeras desumanidades e crimes públicos graves. Fato que despejou para o lixo a sua reputação interna. Hoje a sua simpatia popular resulta de suborno dos eleitores. Por estas e outras razões está completamente despojado de argumentos que suscitam entusiasmo no povo. 

Encurralado internamente lançou mão dos aliados externos para sua legitimação interna. Mas, não demora  a chegar o dia em que é extraído como um quisto e colocado num museu para a memória futura da nossa terra.    
GOZAR COM O POVO…

"Não tentes gozar com um povo  que LÊ, que tem SENTIMENTOS,  que escreve... Não gozes com um povo culto, mago,DELIRANTE, louco. Não gozes com um povo que PENSA, que sabe o que SABE e também sabe voar, um povo CONFIANTE em si mesmo.
Não troces um povo que RI OU CHORA quando faz amor, que sabe transformar a CARNE em ESPIRITO; e muito menos troces um povo que ama poesia (estes são os mais perigosos), ou que fica meia hora contemplando uma pintura e NÃO É CAPAZ DE VIVER SEM MÚSICA . 

Não tentes troçar um  povo que está interessado em política, que é rebelde e sente um enorme horror pelas INJUSTIÇAS. Não troces um povo que não gosta de assistir televisão nem por um povo que é bonito, mas que não se importa com as características de seu rosto e de seu corpo. 

Não troces um povo INTENSO, BRINCALHÃO, LÚCIDO e IRREVERENTE. Não queiras gozar com um povo assim. Porque quando gozares com um povo como este, se ele vai ficar contigo ou não, se ele te AMA ou não, de um povo assim, JAMAIS CONSEGUIRÁS FICAR LIVRE..."
Adaptação do texto de Martha Rivera Garrido
A MIOPIA DE DOMINGOS SIMÕES PEREIRA


Vejam só como é que um governante pode confundir o saudosismo salazarista, dos nostálgicos da “guiné-mindjor”, com “um acontecimento cultural”. 

Quer dizer, o voo da TAP é festa para os guineenses. Disse o recém-eleito Primeiro-ministro: “É evidente a vontade das partes em rapidamente criar condições para a retoma dos voos diretos para Portugal. Já escrevi em tempos, quando tive uma experiência no jornalismo, que o voo da TAP não é simplesmente um voo comercial, é um acontecimento cultural. As pessoas vão ao aeroporto receber o voo da TAP mesmo sem ter alguém a chegar ou a partir. Portanto, quando alguém vem forçar um sentimento adverso a isso é porque, provavelmente, tem uma agenda política. 

O que aconteceu foi, de facto, uma agenda política com vários aproveitamentos. Muito lamentável da parte de muita gente e prejudicando a todos. Prejudicando a imagem do país, prejudicando a relação entre dois povos que são irmãos, tentando introduzir um elemento de desconfiança completamente dispensável”

É preciso ler nas entrelinhas o seu raciocínio. O governante não entende que por imposição histórica a TAP tem sido, ainda, a única companhia a voar para a Guiné-Bissau. 

O governante não entende o sentimento do seu povo. Não percebe que o guineense não escolhe patrão. Não entende o impacto da desilusão política no espírito dos guineenses, desde os tempos do partido único, na nossa terra. Não sabe a frequência dos populares nos voos da TAP é a expressão do desejo da liberdade e de emprego. Não sabe fosse qual fosse a companhia que tivesse o monopólio da rota, teria a mesma resposta popular. Será que os guineenses não arriscam as suas vidas para a Europa pela ilha de Lampedusa? Como se pode reduzir confundir o fenómeno de emigração clandestina com “festa”, acontecimento cultural dos povos? O camarada sofre de miopia, engraxador  ou quê?